Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Destinos Trocados

por Andrusca ღ, em 23.09.12

Capítulo 21

Os Preparativos

 

Caroline estava numa pilha de nervos. Já tinha mudado de roupa três vezes e não sabia o que fazer com o cabelo. Se a situação fosse outra, e se Cindy se mostrasse prestativa, poderia até sair do quarto e procurar o auxílio da irmã, mas não.

Keith encontrava-se em cima da cama dela, divertido com todo aquele embaraço e preocupação.

- Mas para quê tanta coisa? – Perguntava-lhe, enquanto a via a trocar de sapatos pela terceira vez.

- Tu não percebes. É a primeira vez que…

- Carol, tu tens a noção que eles já te viram, certo?

- Mas nunca como Caroline. Sempre me viram como Cindy. O Nate é o meu namorado, e eu preciso mesmo que os pais dele gostem de mim. Já viste o que era se eles preferissem que o filho namorasse com a Cindy em vez de mim? Que horror Keith, morria de vergonha.

Ele revirou os olhos e mandou a revista de carros que lia para o chão.

- Sê apenas tu própria – aconselhou – O Nate ama-te assim, não é? Então de certeza que os pais dele também vão gostar de ti. É óbvio que não te vão detestar e, mesmo que essa hipótese remota aconteça, são demasiado educados para o dizer. Relaxa, vai correr tudo bem.

Nesse preciso momento, a campainha soou. Caroline olhou para o relógio, em pânico.

- Chegaram mais cedo!

Apressou-se a calçar a outra sandália e, em frente ao espelho, deu um jeito ao cabelo solto e respirou fundo. Saiu do quarto, abandonando o amigo, e desceu as escadas mesmo a tempo de ver Kim a abrir a porta. Os seus pais vinham também naquela direcção, vindos da sala, e ficaram espantados ao vê-la tão arranjada: tinha uma saia preta, justa e acima do joelho, e uma blusa cor-de-rosa sem mangas.

Os pais de Nate foram os primeiros a entrar, e a Sra. Montgomery sorriu a Caroline.

- Boa noite – cumprimentou – Tu deves ser… é impossível de saber… Cindy?

Caroline abanou a cabeça.

- Caroline – corrigiu.

A mãe de Nate riu-se e avançou na sua direcção, dando-lhe um beijinho na bochecha.

- Desculpa-me querida, agora nos primeiros tempos vai ser complicado – lamentou-se – Mas fico muito contente por te conhecer.

- Credo mulher, já começas com os discursos – meteu-se o pai de Nate – Boa noite, Caroline.

- Boa noite.

Passaram depois a cumprimentar Terry e Marshall, deixando Nate chegar finalmente à namorada.

- Uau, tu estás… - ele nem conseguiu arranjar a palavra adequada.

- Demasiado exagerado? – Perguntou ela.

- Simplesmente perfeita – Nate beijou-a levemente e Cindy desceu as escadas nesse momento. Dirigiram-se todos para a sala de jantar, onde a comida tinha sido acabada de servir.

Todos elogiaram os cozinhados de Dorcas, como era habitual. Depois começaram a falar das mais variadas coisas. Os homens, como não podia deixar de ser, falavam do novo filme que tinham feito que estrearia muito em breve; Terry e a mãe de Nate conversavam sobre os filhos e o efeito que a chegada de Caroline causou na família; Cindy mantinha-se quieta e com um ar carrancudo, como se estar ali fosse a pior coisa do mundo; Caroline e Nate faziam planos para o dia seguinte.

- É verdade! – Exclamou a Sra. Montgomery, olhando para Cindy – Os teus anos são daqui a uma semana, não é verdade? – Olhou depois para Caroline e pediu desculpa com o olhar – Quer dizer, os anos de ambas.

Caroline começou a pensar, sim, de facto era verdade. Com tudo o que tinha acontecido, nunca mais se lembrara disso.

- Sim, pois é – quem respondeu foi Terry – Credo, com tudo isto que aconteceu repentinamente, nunca mais nos lembrámos disso.

 Os homens, que tinham parado a sua conversa para ouvirem a delas, prestavam a máxima atenção.

- E então Cindy, já sabes o que vais fazer? – Perguntou o pai de Nate – Se calhar vão planeá-la juntas, não é? Uma festa para as duas. Tenho a certeza que vai ser esplêndida, como sempre.

Caroline olhou confusa para Nate, que se inclinou na sua direcção.

- Todos os anos a Cindy faz uma festa estrondosa – informou ele – Posso não gostar dela, mas o seu aniversário é a melhor festa do ano.

Ela olhou depois para a irmã, que encolheu os ombros.

- Já tinha planeado uma festa para mim, mas agora vai ter que sofrer alterações – disse – Enfim… azares acontecem.

Todos ficaram em silêncio depois daquela sua afirmação, e os pais de Nate trocaram um breve olhar.

- Bem, de certo que vais arranjar qualquer coisa – disse Nate, para “quebrar o gelo” – Sempre foste boa em esquivar-te de azares, normalmente consegues sempre mandá-los para o pobre coitado que vier a seguir.

Ela lançou-lhe um olhar mortífero, e o jantar prosseguiu.

 

✽✽✽

 

Amanhã era o dia de aniversário das gémeas, e já estava tudo planeado. Marshall tinha alugado o Country Club e o serviço de comida, Cindy tinha escolhido o DJ e a maneira de decorar o local, tal como o bolo que iria haver e os convidados que podiam entrar. Caroline deixou-a fazer tudo como quisesse, com a única condição de que Keith e Rachel, tal como Nate, pertencessem à lista de convidados.

Caroline estava no quarto, à frente do espelho, com alguns vestidos na mão. Ia pondo um à sua frente, depois outro, e assim sucessivamente. Estava a tentar escolher um para a festa, e a escolha fora reduzida a dois. Se ao menos Terry estivesse em casa, e não noutra noitada no hospital, talvez a pudesse ajudar.

Como a porta do quarto estava aberta, quando Cindy ia a passar da casa de banho para o quarto viu o que a irmã fazia. Encostou-se à ombreira e, deixando o gelo derreter ligeiramente, sorriu perante aquela imagem inocente.

- Devias usar o azul – disse, ao fim de alguns segundos, fazendo com que Caroline se apercebesse da sua presença. Sorriu-lhe, o que fez com que Caroline franzisse as sobrancelhas.

- Achas? – Perguntou.

- Sim – Cindy avançou para dentro do quarto e colocou-se também ao espelho, observando como eram as duas tão iguais – E ficava ainda melhor se lhe pusesses um cinto. E não vás com uns sapatos fechados, sandálias são muito mais giras. Já sabes o que vais fazer ao cabelo?

Caroline olhou para ela espantada e cerrou um pouco os olhos.

- O que estás a fazer? – Questionou.

“A ser uma irmã”, pensou Cindy, que olhou para ela e revirou os olhos.

- Usa-o apanhado, realça-te a cara – aconselhou. Porém depois abanou a cabeça ao perceber que se estava a “aproximar” dela, e por isso voltou a pôr o seu ar snob e embirrante – Ouve… em todos os meus aniversários, o pai dançou comigo a primeira dança. É… uma tradição nossa. Lá por aqui estares, isso não vai mudar. Podem dizer o que quiserem, mas eu sonho com esta festa desde miúda, por isso não a vais estragar. Não podes ter a primeira dança.

Caroline olhou para ela e engoliu em seco. Sabia que aquele momento de simpatia não ia durar muito.

- Não quero a dança – mentiu – Não quero as pessoas todas a olhar para mim enquanto danço com ele no meu aniversário. Podes ter tudo isso, Cindy. Essas coisas não me importam mesmo.

Cindy assentiu e saiu, enfiando-se no seu quarto. Deixou-se cair em cima da cama e apertou a almofada. O seu telemóvel começou a tocar e, ao ver o nome que aparecia no ecrã, toda ela gelou.

- O que foi? – Atendeu.

- “O teu tempo acabou”.

Entretanto Caroline encontrava-se à varanda. Ao retornar para dentro do quarto, verificou que era meia-noite em ponto. Sorriu para si mesma e respirou fundo.

- Feliz aniversário – desejou-se, como fazia todos os anos àquela hora.

 

Os comentários baixaram.

Eu sei que chegou a escola, mas quem ler o capítulo por favor comente.

Beijinhos (:

8 comentários

Comentar post