Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Behind Appearances - mini história

por Andrusca ღ, em 28.07.11

Hello Hello

Bem, vim deixar o resto da mini história, vocês sabem, aquela que já não posto há séculos (a)

Vou deixar hoje uma parte, outra amanhã, e vou programar a última para dps de amanhã.

Para responder a várias perguntas que me fizeram:

- sim, as férias estão a correr bem, obrigada ^^

- sim, vou postar outra história, mas só quando voltar para casa (já tenho 7 caps escritos :p)

- só volto no dia 13

- tenho lido as vossas coisas, continuem a mandar que eu tenho apontado os comentários para depois os deixar nos vossos blogs *-*

 

Espero que gostem ^^

 

Na parte anterior:

- Não vou mentir… amo – confirmou a rapariga.

- Então tentai esquecer tudo o mais.

Dito isto, uniu de novo os lábios de ambos, para se envolverem minutos depois na maior noite de amor das suas vidas. Uma noite onde o amor reinou sobre o pecado. Onde a fé ultrapassou a crença. Onde havia apenas espaço para aqueles dois seres apaixonados e nenhum mais. Uma noite repleta da mais pura magia que pode existir.”

 

Parte 5

 

- Em que pensais? – Perguntou Frederick, apertando mais o corpo de Danielle para o dele, puxando-a pela cintura.

Já se passara uma semana desde o envolvimento de ambos, e agora, mais que nunca, Danielle duvidava se queria voltar a ser a princesa que era antes e acatar com todas as responsabilidades e deveres. Por um lado, ela desejava ficar assim para sempre, com Frederick, e escolher ser quem bem quiser; mas por outro, ela amava a sua família, e não os deixaria morrer sem dar tudo por tudo para os resgatar.

- Em como salvar a minha família – ela não mentiu completamente, apenas ocultou que também pensava nele, e como o queria incluir na sua vida quando tudo regressasse à normalidade – Temos que deitar o Bispo abaixo. Se conseguirmos chegar a ele, os outros cederão, tenho a certeza.

- Matar um Bispo… haverá maior pecado?

A rapariga voltou-se nos braços do rapaz que amava e ficou frente a frente com ele, sorrindo-lhe debilmente.

- Não o quero matar – afirmou – Apenas o quero afastar. Fazê-lo fugir, qualquer coisa.

- Isso não deve ser difícil – pensou Frederick, em voz alta.

- Mas vamos ter que passar pelos guardas do palácio, e por aqueles que estão constantemente com o Bispo, para a sua protecção. Primeiro precisamos de um exército. Precisamos de homens que não concordem com isto.

- Isso pode levar anos a concluir. E a treinar, especialmente.

- A minha família não tem anos Frederick, receberão as suas sentenças em menos de um mês.

- Então é melhor despacharmo-nos – disse-lhe o rapaz.

E assim fizeram. Frederick em conjunto com Juan recrutaram vários homens para a sua causa. Muitos descontentes com as acusações de traição que o amado Rei recebeu. Outros apenas sem mais nada para se preocuparem. Vários nem sequer ouviram a proposta até ao fim, uma aventura era exactamente o que queriam e não precisaram de pormenores para aceitarem.

Mas depois haviam aqueles homens que o Clero tinha na mão. Os homens a quem lhes eram negados perdões, e ditas palavras de condenação num Inferno interminável. E por isso os homens faziam de tudo para que essas coisas não acontecessem. Os crentes, por assim dizer, recusavam por medo de não poderem entrar nos portões sagrados de São Pedro, no Céu.

Apenas após votos de fidelidade e juras de lealdade, os homens que aceitaram ingressar na luta contra o falso poder do Bispo tiveram conhecimento do envolvimento de Danielle, a jovem princesa que nenhum deles sonhava estar a planear uma rebelião. Aliás, que nenhum deles sequer imaginava estar em liberdade.

Danielle suspirou. Os dias passavam demasiado rápido para tudo o que era preciso ser feito e preparado, e o grande dia estava a aproximar-se à velocidade de um relâmpado. Ela temia que o plano não fosse bem sucedido. Temia pela sua família, mas não só. Também pelos homens que decidiram lutar ao seu lado, e por Frederick, o rapaz que lhe conseguiu roubar o coração, e Juan, que se mostrou um verdadeiro aliado em todo o tipo de situações.

- O que estais a fazer? – Perguntou Frederick, ao ver a princesa com o cabelo todo metido para um lado, e a espada junto a ele.

- É demasiado longo – esclareceu ela – Os guardas notariam, tenho que o cortar para que caiba no elmo.

- Mas Danielle – suspirou ele. O cabelo da rapariga era lindíssimo, era uma pena ser desperdiçado desta maneira, mas ele sabia que Danielle tinha razão. Ela nunca esconderia tal cabeleira dentro do elmo, e os guardas nunca deixariam uma mulher vestida de cavaleira entrar dentro dos muros do palácio. Uma mulher pôr-se no lugar de um homem. Seria um escândalo, ninguém o permitiria.

Danielle tomou uma grande golfada de ar e num movimento rápido deixou que a lâmina afiada da espada cortasse a sua bela cabeleira, e segundos depois o chão encontrava-se cheio de cabelos. Danielle voltou a respirar, antes de abanar o cabelo com as mãos. Tinha ficado um pouco acima dos ombros, coisa que fez com que ela soltasse uma lágrima. O seu cabelo era uma parte dela, algo de que se orgulhava, algo importante. E agora a maioria tinha acabado de desaparecer.

Mas Frederick olhou para ela e abanou a cabeça, esboçando um sorriso sincero. Ela nunca lhe parecera tão bonita. Com cabelo, ou sem ele, Frederick amava-a e isso era o que importava. Ela iria sempre ser a sua princesa. Caminhou os poucos metros que os separavam e deixou-se cair à sua frente, também ajoelhado, fazendo com que ela olhasse para ele, com a sua mão.

- Sereis sempre a mulher que amo – declarou, depositando um beijo nos lábios da rapariga, fazendo-a sorrir levemente.

 

***

 

Finalmente o grande dia tinha chegado. Tinham o armamento. Tinham as armaduras arranjadas por um guarda que os apoiava. Tinham as pessoas a postos, tal como os cavalos. E faltava pouco tempo. O plano era simples. Assustar o Bispo. Danielle sabia que a única coisa capaz de assustar o Bispo seria Deus. E ela era inteligente, se conseguisse entrar no palácio sem ser detectada, faria com que o Bispo acreditasse que Deus estava do lado dela.

-… e é por isso que vos rogo, ajudai-me. Livrai-me deste problema, deste mal. Ajudai-me a passar por esta prova. Não me julgais, peço-vos. Não pretendo magoar ninguém, sabeis isso apenas de me olhardes, por isso perdoai-me se tal incidente ocorrer. Dai-me força para o que vou fazer, porque eu estou a fazê-lo pelos motivos certos. Rogo-vos, Deus, ajudai-me a fazer justiça por tudo isto. Ámen – Danielle benzeu-se e deitou um olhar aos céus, rezando interiormente para que o seu Deus, o Deus em quem tão vivamente acreditava, os ajudasse realmente.

Estava na hora.

Cavalgaram juntos até ao palácio e o guarda seu amigo facilitou-lhes a entrada. E assim, logo depois, espalharam-se. Danielle, sempre sem retirar o elmo, tratou de ir ao encontro do Bispo, enquanto Frederick foi sabotar o machado, futura arma da morte do Rei e suas filhas e respectivos maridos.

3 comentários

Comentar post