Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Behind Appearances - mini história

por Andrusca ღ, em 29.07.11

“Cavalgaram juntos até ao palácio e o guarda seu amigo facilitou-lhes a entrada. E assim, logo depois, espalharam-se. Danielle, sempre sem retirar o elmo, tratou de ir ao encontro do Bispo, enquanto Frederick foi sabotar o machado, futura arma da morte do Rei e suas filhas e respectivos maridos.”

 

Parte 6

 

Frederick foi até à sala a Danielle lhe indicara ser onde eram guardadas as armas e tratou de dar um corte na parte do machado em que o punho encontra a lâmina, para que este facilmente se partisse.

Os restantes membros da rebelião trataram de chegar ao impostor, Rei Jullian, e de o vigiarem para o caso de tentar efectuar uma fuga.

Danielle foi dar com o Bispo e Claude, seu companheiro, na capela do palácio, a segredar coisas baixinho.

Abriu a porta e eles olharam-na de alto a baixo, sempre sem suspeitarem de quem se tratava.

- Porque estais aqui? – Perguntou Claude – Procurais uma confissão?

Danielle abanou a cabeça enquanto se aproximava, e num movimento veloz, que outrora nunca teria pensado ser capaz de tal, retirou a sua espada da bainha e apontou-a ao Bispo, ficando apenas a poucos milímetros do seu peito.

- O que está a acontecer?! – Perguntou o Bispo, de olhos arregalados. Com a mão livre, Danielle retirou o elmo, observando cuidadosamente a expressão dos dois homens à sua frente, completamente embasbacados por si.

- Isto é um ultraje! Uma mulher de armadura?! Onde já se viu tal barbaridade?! – Perguntou Claude, completamente atónico.

Já o Bispo estava mais furioso e enfurecido que outra coisa. Sabia que devia ter insistido mais com os guardas para procurarem melhor esta rapariga que ele intitulava de pirralha irritante e mimada. Mas ela não era nada disso, era uma mulher de convicção. Uma mulher forte.

- Devereis arder no Inferno por esta afronta – declarou ele, a cuspir as palavras –, Danielle.

- Eu não respondo perante o vosso Deus – defendeu-se a rapariga – E o meu Deus sabe que eu não estou a fazer nada de errado. Ele não é um hipócrita, como o vosso.

- Disparates! – Gritou o Bispo – Devereis queimar, e não faltará muito. A eternidade esperai-vos no Reino de Hades.

- Se esse for o caso, tenho a certeza que vos terei lá para me acompanhar, bom Bispo – retorquiu a rapariga uma vez mais – Eu não desejo lutar-vos. Apenas quero mostrar que estais errado, Bispo. Dai-me uma chance.

- Nunca – afirmou ele.

- Deus está a ver-vos. Podeis tentar esconder do povo, do Papa, de todos. Mas não de Deus. E Ele não quer que a minha família morra.

- E como sabereis tal coisa? – Intrometeu-se Claude.

- Porque, meu bom Padre, ele apareceu-me num sonho – mentiu a rapariga – Disse que no exacto momento em que o carrasco de meu pai, o Rei…

- Traidor – interrompeu Claude, ao que Danielle abanou a cabeça.

- Todos nesta sala estamos conscientes que isso é uma mentira. Deus disse-me que o machado irá cair, os sinos irão tocar, e uma pomba cairá.

- Uma pomba? – Perguntou Claude.

- Uma branca. Um sinal de paz. Ele também me disse, querido Bispo, que vós tereis muito trabalho para vos redimirdes, se pretendeis ingressar no seu Reino eterno – continuou a rapariga, perante o olhar de ódio do Bispo.

- Mentes – acusou Claude.

- Veremos – disse o Bispo, dirigindo-se à varanda da capela, de onde tinha uma vista directa para a execução do antigo Rei. Também Claude e Danielle se aproximaram, para ver o que aconteceria a seguir. Danielle estava tranquila. Ela tinha um plano, e tudo aquilo que disse ao Bispo que ia acontecer, iria. O Bispo por sua vez estava nervoso. Ele sabia que o que estava a fazer era errado, pecado, mas sempre pensara estar acima dos castigos, visto ser ele uma figura religiosa. A única coisa que temia era Deus Todo-poderoso, e Danielle jogou com isso a seu favor. Claude estava igual ao Bispo, também ele com receio de que o que a jovem princesa disse se torne realidade.

- Está na hora – anunciou o Bispo, fazendo sinal ao carrasco e aos guardas. À volta da plataforma estavam vários populares, todos eles à espera do que acontecesse a seguir, e de outra varanda do palácio assistia Jullian, o actual Rei, o verdadeiro impostor de toda esta história. Assim que pousou com os olhos na princesa, vestida como um cavaleiro, o seu rosto tornou-se assombroso. Ele sabia que Danielle era de ideias fixas, e tal certeza fazia-o tremer da cabeça aos pés.

Os guardas começaram a levar os prisioneiros – o antigo Rei, pai de Danielle, e as suas outras filhas e maridos – para a plataforma, e enquanto as princesas e os esposos se mantinham quietas atrás, o Rei foi levado a inclinar-se mais à frente, forçado a pousar a sua cabeça na placa de madeira onde muitos criminosos já tinham morrido.

Após se lerem as acusações o coração de Danielle apertou-se. No fundo ela esperava que o plano corresse bem, mas e se tal não acontecesse?

Na multidão, viu Frederick, que lhe sorriu em sinal de que tinha cumprido com a sua parte, e em seguida dirigiu a sua atenção ao espectáculo na plataforma de madeira.

O carrasco agarrou no machado e levantou-o, e no preciso momento em que o ia fincar no pescoço de Steven, a lâmina caiu para trás, fazendo com que houvesse uma exclamação geral. Assim que a lâmina tocou no chão, três badaladas fizeram-se ouvir pelo ar, vindas do sino da capela, causadas por um dos aliados de Danielle, mas que ninguém além deles sabia. Danielle olhou para o Bispo, que estava mais branco que o cal da parede, e sorriu interiormente.

- Querido Bispo – chamou, fazendo-o levantar os olhos do chão. E assim que o fez, uma pomba branca caiu-lhe aos pés, fazendo dar meia dúzia de passos para trás, atordoado.

- Valha-me Deus Nosso Senhor Todo-poderoso dos Céus e da Terra – exclamou ele, em choque – Parem! Parem a execução! Parem! – Gritou, fazendo todos olharem para ele – O Rei Steven foi acusado injustamente. Ele não é um traidor. Deus Nosso Senhor mostrou-me isso.

- Não! – Exclamou Jullian, da outra varanda.

- Ele é o traidor – acusou Danielle, apontando para o antigo membro da Nobreza, e em breve, antigo Rei – Prendam-no.

Todos a reconheceram, e os guardas obedeceram, causando um caos por uns momentos.

- E vós, bom Bispo, estais banido. Junto com o vosso fiel aliado Claude. Acredito que seja claro que Deus não vos quer perto destas terras – continuou Danielle.

2 comentários

Comentar post