Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Behind Appearances - mini hist

por Andrusca ღ, em 30.07.11

“Todos a reconheceram, e os guardas obedeceram, causando um caos por uns momentos.

- E vós, bom Bispo, estais banido. Junto com o vosso fiel aliado Claude. Acredito que seja claro que Deus não vos quer perto destas terras – continuou Danielle.”

 

Parte 7

 

A paz tinha regressado ao reino. Steven, em conjunto com as suas filhas e respectivos maridos tinham regressado ao palácio, e já lhe tinha sido devolvido o seu título de Rei. O Bispo e Claude desapareceram, sem deixarem pegadas, e sem nunca mais serem vistos por alguma pessoa deste reino, e Jullian foi condenado a passar o resto da sua vida nos calabouços do palácio. Tudo estava de volta ao rumo natural dos eventos, e todas as almas andavam contentes. Todas, excepto uma.

A filha mais nova do Rei parecia andar fora de si desde que tudo acontecera. Danielle nunca mais tivera notícias de Frederick, nem de Juan, e sentia a falta deles. Ela amava Frederick, isso era certo, e não queria desistir de um amor que nunca pensou ser possível encontrar.

- Danielle? – Chamou o Rei, fazendo a princesa parar de brincar com o seu cabelo curtinho e voltar-se para ele, ficando na mesma sentada naquela pedra enorme, no jardim do palácio.

- Sim, pai? – Perguntou ela.

- Recebemos uma carta do…

- Meu noivo – calculou a princesa, começando a ficar com os olhos enlagrimados.

- Tenho muito orgulho em vós, minha filha – disse o Rei, aproximando-se dela e pondo-lhe um braço à volta dos ombros – Tudo o que tenho hoje, é devido a si, Danielle. E um pai consegue notar quando uma filha está infeliz. Falai comigo.

- Não adianta falar, pai – disse-lhe a jovem – Quando chega ele?

- Em poucas horas.

- Então devo ir-me aprontar. Com licença, pai.

O Rei assentiu com a cabeça e Danielle começou a desviar-se lentamente, para ingressar nas paredes do palácio. Ela iria cumprir o seu dever, conheceria o homem a quem estava prometida e iria cumprir as obrigações que vieram com o título que recebeu ao nascimento.

As suas irmãs ajudaram-na a aprontar-se, como outrora fizeram, e depois esperaram impacientemente na sala do trono, junto ao Rei e vários empregados.

Danielle estava numa pilha de nervos. Ela tinha conseguido destronar um impostor, tinha conseguido enganar um Bispo e jogar com o seu medo. Tinha finalmente conseguido encontrar um amor real e uma oportunidade de ser feliz. Nestes momentos, gostava de ter uma mãe a quem pedir conselhos. Gostava de lhe perguntar o que seguir: o coração ou a razão. Mas o seu pai já lhe dissera vezes sem conta que ela tem a imagem e a alma da mãe, o que levava Danielle a pensar que talvez também tivessem os mesmos ideais e pensamentos. Por isso talvez a sua mãe lhe desse a resposta que queria ouvir: o coração.

- Perdoe-me pai, mas eu não consigo fazer isto. – Afirmou ela, levantando-se de rompante, pondo todos a olhar para ela – Há um tempo prometi a um homem que se encontrasse o meu verdadeiro amor, lutaria por ele até ao meu último suspiro. E pretendo manter essa promessa.

Dito isto, Danielle saiu da sala do trono e dirigiu-se ao celeiro, de onde levou um cavalo branco, o mais manso que havia no palácio e arredores. Montou-o e dirigiu-se assim para fora das muralhas, rumo à casa que outrora partilhara com o seu amor e Juan. Mas quando lá chegou estava deserta. Danielle abriu a porta apenas para ver a pobre mobília coberta de pó, e sentiu uma desilusão maior do que aquela a que se sentia pronta para sentir.

Encostou-se à parede, do lado de fora, e deixou-se cair no chão de areia, enquanto chorava pelo amor perdido. As pessoas passavam e perguntavam-se o que faria a princesa, a salvadora do reino, sentada no chão, a sujar o rico vestido que envergava, e porque chorava. Mas Danielle não se importava. Ela não era forte como todos a tinham pintado desde o momento em que salvou a família. Era apenas uma menina que de quando a quando também se sentia indefesa e forçada a chorar com todas as suas forças.

- À minha procura? – Danielle levantou a cabeça, que se encontrava apoiada nas pernas, para observar um Frederick dentro de umas roupas ricas. Não tão ricas como as dela, mas mesmo assim, ricas e bonitas.

- Frederick – murmurou, enquanto ele a ajudava a levar – O quê…

- Conde Frederick – corrigiu o rapaz – A coisa mais estranha aconteceu: cá estava eu, pronto para conhecer a minha noiva, quando aconteceu qualquer coisa no palácio. O Juan, um dos meus melhores empregados, disse logo que talvez fosse melhor vestir algo mais… modesto. E depois encontrámos uma rapariga por quem me apaixonei.

- Eu não acredito – suspirou a princesa.

- E depois descobri que ela é a minha noiva. Alguém que, sendo honesto, nunca pensei gostar – continuou ele, sorrindo – Danielle, fico feliz por terdes lutado pelo nosso amor… mas agora chegou a hora de repousarmos e deixarmos as coisas tomarem o seu curso, afinal, temos um casamento ao qual comparecer.

A rapariga não aguentou mais e abraçou-se a Frederick, o rapaz que sabia agora ser o seu noivo.

Talvez o seu Deus a tivesse mesmo recompensado por ter feito um bom trabalho em desmascarar os patifes. Ou talvez tudo isto estivesse destinado desde o princípio.

A única coisa que se sabe com todos os factos, é que Danielle e Frederick levaram uma vida feliz, com amor e companheirismo, e sempre um ao lado do outro. A única certeza, é que eles viveram felizes para sempre.

 

Fim

 

E pronto, que tal?

O blog agora vai ganhar teias de aranha até eu chegar no dia 13, mas continuem a mandar as vossas coisas que eu vou lendo ^^

Bjs ^^

13 comentários

Comentar post