Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Milionário & Eu

por Andrusca ღ, em 29.12.11

Anteriormente:

 

Ele pensou durante alguns segundos e depois encolheu os ombros.

- Entra, dá-lhe o trabalho, também não há-de ser por mim que vais tirar negativa – acabou por dizer, fazendo com que Melody revirasse os olhos ao mesmo tempo que passava pelos dois seguranças e entrava no auditório.

 

Parte 2 – A Banda

 

O auditório da escola era bastante grande e tinha um palco posicionado no fim da sala, com todas as cadeiras viradas para lá, mas hoje estava diferente. Todas as cadeiras tinham sido desviadas e havia uma mesa cheia de doces no meio da sala. Em cima do palco havia instrumentos musicais e amplificadores de som, tudo trazido naquelas carrinhas que estavam à porta da escola. Vários CDs a um canto provavam a música que antes se ouvira, cantada por várias vozes.

Melody procurou a professora com os olhos e sorriu assim que a viu. Tinha estado doente e por isso não tinha entregado o trabalho, e hoje era o seu último dia de limite. Caminhou até ela desviando-se de alguns alunos da turma do loirinho e por alguns outros professores, incluindo o director. Claro, ele substituiu as aulas que iria ter hoje pela festa, daí os professores, e claro que parecia mal não convidar o director. “Pessoas com dinheiro fazem tudo”, resmungou ela para si.

- Aqui está o trabalho – disse, assim que chegou ao pé da professora.

- Obrigada Melody, espero que te estejas a sentir melhor.

- Sim, obrigada. Agora tenho que ir.

A rapariga dirigiu-se à saída do auditório e passou de novo pelos dois seguranças, indo logo de seguida em direcção às escadas.

- Ei, espera aí! – Ela voltou-se para trás e viu o “dono” da festa um pouco atrás dela – Já vais? Não ficas um bocadinho?

“Este tipo não bate bem, só pode”, pensou ela.

- Tenho mais que fazer – respondeu-lhe, voltando costas e descendo dois degraus.

- Mas os Three Stars vêm actuar – aquela frase fê-la parar. Eles eram apenas a sua banda preferida. Aquela que sempre desejou ir ver actuar mas nunca conseguiu por nunca calhar em boa altura. Engoliu em seco e voltou-se de novo para o rapaz, afinal a música que ouviam, deles, era cantada ao vivo e não um CD.

- Vêm? – Perguntou.

- Sim, eles cresceram na casa ao lado da minha, somos amigos e voluntariaram-se. Estão agora a meio de um intervalo, devem estar mesmo a chegar. Eu deixo que fiques – Melody suprimiu uma gargalhada e abanou a cabeça. Ela podia amar a banda, mas o orgulho era mais forte.

- A sério? Se são assim tão amigos e tu não fazes parte da banda só pode querer dizer que não tens nenhum talento que se preze – o rapaz ficou sem resposta – Faz-me um favor…

- Liam.

- Faz-me um favor Liam: volta lá para a tua festinha e deixa-me em paz.

- Mas… - Melody já tinha descido mais três degraus e voltou-se de novo para ele – Mas tu nem me conheces, porque é que me estás a tratar assim?

Ela revirou os olhos.

- Porquê? – Perguntou-lhe – Porque chegas aqui, organizas essa enorme festa para poderes comprar a amizade da tua turma. Dinheiro não é assim tão importante para mim, não compra a minha amizade. Para ser simpática para ti vais ter que merecer, e até agora não me deste motivo nenhum – a esta altura já a rapariga tinha subido de novo as escadas e se encontrava em frente a Liam – Posso não te conhecer, mas pelo que já vi és fútil, tens a mania e achas que dinheiro te pode dar tudo. E eu não tenho intenções nenhumas em ser simpática para alguém assim. Não acho justo que venhas para esta escola armado em Deus lá porque tens uma conta bancária recheada e esfregues na cara dos outros alunos que podes ter tudo o que queres. Aqui ninguém é milionário Liam, estas pessoas são simples e não são do Jet7, acho simplesmente errado vires gabar-te de teres o que lhes falta.

- Uau – depois de se calar Melody ouviu uma voz por trás de si e voltou-se para ver Harry, um rapaz moreno com um piercing no lábio e uns olhos cor de chocolate, a rir. Ele era o vocalista dos Three Stars, mas nem isso fez com que Melody se sentisse menos enervada – Parece que já fizeste uma amiga.

- É… ela ama-me – murmurou Liam de uma maneira retórica – Olá pessoal.

Os dois outros membros da banda, Brad e Mathew, tinham chegado também e estavam ligeiramente atrás de Harry.

- Como é que ela se chama? – Perguntou Harry.

- Eu não sei… - murmurou Liam, olhando depois para Melody, que revirou os olhos.

- Melody – respondeu ela, avançando em direcção à banda – Chamo-me Melody e sou uma enorme fã vossa. Foi bom conhecer-vos, vão lá para a festa do parvalhão.

Melody passou pelos rapazes, deixando-os boquiabertos e recomeçou a descer as escadas. Brad e Mathew riram-se, enquanto Liam ficou especado e Harry confuso.

- Não queres assistir? – Perguntou o vocalista.

- Não preciso, tenho bilhetes para os bastidores do próximo concerto – disse ela, sem parar de descer as escadas, apenas a abrandar o passo. Depois voltou-se para eles e sorriu – Lá vou exigir um abraço.

Ela deixou-os ao pé do auditório e andou depressa até ao bar, onde comprou uma sandes e um sumo. Quando olhou para as horas já estava a sua próxima aula quase a começar, tinha que se despachar. “Nem reparei no tempo que perdi com aquele idiota”, remoía enquanto comia sentada na relva, sozinha, “mas os Three Stars… oh Deus, que sonho. Serem amigos daquele é que enfim…”.

Quando as aulas acabaram Melody saiu sozinha e foi deixar alguns livros ao cacifo antes de se dirigir à saída. Assim que o fez viu um aglomerado de pessoas ao portão e era-lhe impossível passar.

- Deixem-me passar! Que diabos pá! – Reclamava ela, enquanto tentava furar o muro de gente. Quando finalmente conseguiu viu o motivo de tanto aparato. Harry, Mathew e Brad estavam no centro do grande círculo, tanto a tirar fotografias como a dar autógrafos. “E claro que o ricalhaço é que vai ficar visto como Deus, por os ter trazido”, pensou ela. Na verdade era uma boa estratégia para arranjar maneira de nunca ficar sozinho… mas também atraía muita gente falsa.

- Ei! Olha a Melody! – A rapariga, que já ia algo afastada, ao ouvir o seu nome voltou-se para trás e sorriu a Harry, que lhe acenava e também lhe sorria. “Ele lembra-se do meu nome”, pensou ela, corando ligeiramente. Tudo bem, era teimosa e orgulhosa, mas era uma adolescente como todas as outras – Já vais?

- Sim – gritou-lhe ela.

- Quando é que te vemos de novo? – Quis ele saber.

- O concerto é na próxima semana. Vou esperar o abraço nessa altura!

 

Pessoal, vá lá, toca a comentar se querem a próxima parte

14 comentários

Comentar post