Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Milionário & Eu

por Andrusca ღ, em 30.12.11

Parte 4 – O Concerto

 

- Louis deixa o carro e vai-te divertir – disse Melody, ao motorista que a tinha levado ao local do concerto – Já que vais ter que aqui ficar, ao menos não ficas estas horas todas no carro. Ainda é cedo, vai dar uma volta pela cidade.

- A menina telefona quando estiver pronta para ir para casa? – Quis ele saber – E fica bem?

- Sim, não te preocupes, já não sou um bebé – afirmou ela – Vai lá à tua vida que isto deve acabar super tarde.

O pai de Melody não a tinha deixado ir sozinha ao concerto dos Three Stars. Havia coisas em que ela lhe dava a volta, e outras em que não, e neste caso nem houve discussão. Louis teria que a levar ao recinto e a levar depois para casa, visto que era numa cidade nas redondezas.

Depois de o motorista ter deixado o carro estacionado e se dirigido a um dos muitos cafés das redondezas, Melody respirou fundo. Tinha umas longas horas de espera pela frente, mas graças ao seu pai tinha um bilhete para os bastidores, o que significava que depois do concerto ia ter uns minutinhos com a banda. “Tudo bem, ter dinheiro até é bom às vezes”, pensou ela, já a pensar nos três rapazes que tinha conhecido na semana passada.

Conseguiu ficar numa das filas da frente e esperou juntamente com os outros fãs. O Coliseu estava esgotado, como sempre acontecia com os sítios em que eles actuavam.

Quando eles finalmente subiram ao palco Melody sorriu e o público começou aos gritos, já toda a gente estava entusiasmada. Estavam os três perfeitos lá em cima. Harry cantava e encantava, enquanto Mathew tocava guitarra e Brad encarregava-se da bateria. Tinham mais músicos de suporte e o jogo de luzes era impressionante. Ao fim foram quase duas horas de concerto e Melody acabou quase sem voz de tanto cantar juntamente com eles e cansada, de pular e dançar. Assim que eles saíram do palco ela foi ter com um segurança, que em conjunto com mais três raparigas a levou aos bastidores. O segurança bateu à porta e quando obteve a autorização para entrar deixou que uma a uma fossem ter com os três rapazes, que estavam dentro de uma sala que servia de camarote para os três.

“Isto está a demorar anos”, reclamou Melody para si, visto que era a última e a rapariga antes dela já estava lá dentro há bastante tempo. Quando finalmente a viu sair e o segurança lhe deu ordem para entrar o seu coração começou a bater descompassadamente. “Controla-te pá, já os conheceste e tudo”, pensou.

Abriu a porta e espreitou. A sala era grande e quadrada, com uma parede espelhada e várias mesas com comida, e com um sofá gigantesco encostado a outra parede. Sentados no sofá cor de laranja estavam eles, e assim que Harry pousou os olhos na beldade loira sorriu e levantou-se para ir ao seu encontro.

- Vieste! – Exclamou-lhe, dando-lhe um abraço, para sua surpresa.

- Disse que vinha – justificou-se, sorrindo-lhe – Não te esqueceste do abraço.

- Claro que não Melody – “E não te esqueceste do meu nome”, pensou ela.

- Bem-vinda – disse Mathew, dando-lhe também um abraço, seguindo-se Brad – Ainda bem que vieste, que o Harry já estava desde a primeira rapariga a queixar-se que nos tinhas mentido.

A rapariga soltou uma gargalhada.

- Duvido muito – disse ela – Harry, afinal porque é que querias tanto que viesse? Fãs tens muitas.

- Ah, mas nenhuma como tu – Melody sentiu-se a corar e foi conduzida ao sofá, onde se sentou entre Harry e Brad, tendo Mathew ficado em pé – É que até agora nenhuma delas insultou tanto o Liam como tu. Tenho que dizer, nunca esperei.

A rapariga mordeu o lábio.

- Eu não sou como me viram – justificou-se – Não sou, na verdade até sou super descontraída. Mas ele… Deus, ele é um gabarolas do pior, e chateou-me por causa da festa e…

- Nós percebemos, ele pode ser difícil – interveio Brad – Crescemos todos juntos, já o conhecemos bem. Mas não é culpa dele, sempre teve tudo, na verdade não sabe como é o mundo real.

- Não é desculpa – murmurou a loira. “Eu também sempre tive e sei ser humilde”, completou dentro da sua cabeça.

- Mas e então, gostaste do concerto? – Perguntou Mathew, para mudar de assunto.

- Amei! Vocês estiveram perfeitos! – Exclamou ela – E antes de ir quero tirar fotografias, montes delas – “Quero juntá-las às dos Rolling Stones e às dos U2, às que tirei com a Britney e com a Madonna…”, pensou ela.

- Claro – afirmou Harry.

Bateram à porta e esta abriu, deixando ver a cabeça do segurança.

- Está na hora – afirmou ele. A loira suspirou, não lhe pareceu estar com os rapazes tempo nenhum em comparação às outras três antes dela.

Harry olhou para os amigos e abriu um sorriso, dirigido a Melody.

- Malta, importam-se de irem sozinhos? A mim apetece-me ir dar uma volta – disse ele. Os outros dois entreolharam-se e depois encolheram os ombros – Então e a ti? Apetece-te ir dar uma volta?

Melody sorriu.

- Claro, porque não? – Respondeu.

Saíram os dois pela porta das traseiras, Harry com o capucho na cabeça para não ser reconhecido, e andaram depressa até algumas ruas depois da do Coliseu. Apenas aí começaram a andar mais calmamente enquanto falavam e riam.

- Não acredito que fizeste isso – riu-se Melody, do que Harry lhe tinha confidenciado.

- O quê? Porquê? Lá por ser famoso não quer dizer que não seja normal – a rapariga parou de rir e ficou a olhar por ele com um sorriso estupidamente preso nos lábios.

- Exacto – concordou – Dinheiro ou fama não faz as pessoas.

Ela gostava que ele, ao contrário de Liam, fosse tão humilde e nada de se gabar.

- Está a ficar tarde – lamentou – Tenho que ir para casa.

- Queres que te leve? – Ofereceu-se o jovem – O meu carro está perto do Coliseu.

- Não, um… amigo do meu pai leva-me – Não ia dizer motorista, não é?

Harry assentiu e sorriu-lhe, passando-lhe o seu telemóvel para as mãos.

- Mete o teu número, gostei imenso de te conhecer – disse ele, corando ligeiramente.

Melody sorriu e assim fez, dando-lhe depois de novo o telemóvel.

- Vais mesmo telefonar? Ou é só para eu ficar toda contente por um cantor famoso querer o meu número de telefone? – Perguntou ela, em tom de brincadeira, enquanto caminhavam para ao pé do Coliseu de novo.

Harry riu e meteu-se a mexer no telemóvel, fazendo com que o da rapariga tocasse segundos depois. Ela não conhecia o número, mas percebeu instantaneamente que era dele.

- Telefono mesmo – garantiu, dando-lhe um beijo na bochecha para depois se afastar em direcção a um descapotável prateado.

 

Que acharam?

Quero comentários pessoal, não tenham preguiça xD

11 comentários

Comentar post