Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sob o Luar

por Andrusca ღ, em 01.05.12

Capítulo 6 – “A” Conversa

 

“Ali está ele. Respira fundo, não tropeces… oh pá, coração, pára de bater tão rápido!”, pensava Amanda à medida que ia andando pelo corredor da escola. Mal tinha dormido à noite, não parava de pensar naquela cena à sua porta, há meia dúzia de horas atrás. Não conseguia parar de imaginar como seria a conversa de hoje, e se correria bem. Dean encontrava-se poucos metros adiante, encostado à parede, de olhar preso no chão perdido nos seus pensamentos. A rapariga aproximou-se dele e ele levantou o olhar, ficando com um novo brilho neste. Mostrou-lhe um sorriso, e obteve outro com a mesma quantidade de encanto.

- Acho que temos que falar – disse Amanda, corando de um modo ligeiro.

- Sim, temos – concordou ele – Anda comigo.

Dean alcançou-lhe a mão e puxou-a para fora do edifício, dirigindo-se para longe do campo de futebol, aproximando-os aos dois das grades que rodeavam todo o recinto. Era um sítio mais sossegado, sem ouvidos bisbilhoteiros nem pessoas metediças. Mais privado, onde se podia conversar sem quaisquer perturbações.

- Podemos falar aqui – disse ele – Ouve, acerca de…

- Ontem à noite – completou ela, ao que ele assentiu – Eu não sei o que dizer.

- Não me afastaste, isso foi um bom sinal – opinou Dean. Apesar do sorriso que confiante, ele estava bastante inseguro sobre o que a rapariga poderia falar sobre o beijo de ambos – Não foi?

- Não vou mentir. Eu gosto de ti. Bastante. Mas…

- Shh – Dean colocou-lhe o indicador à frente dos lábios e aproximou-se, colocando-os a uma distância mínima um do outro – “Eu gosto bastante de ti”, isso chega. Não digas mais nada. Não digas “mas”.

- Mas…

- Eu também gosto bastante de ti. E ontem à noite… bem, finalmente percebi que não podia continuar a enrolar. Tinha que tentar, mesmo que me pusesses a andar. Mas não me puseste, por isso achei que não tinha mesmo mais nada a perder. Dá-me a oportunidade de te provar que te mereço. Prometo que não te vou magoar, és a pessoa mais importante que alguma vez conheci.

- Prometes? – Dean sorriu, e assentiu com a cabeça antes de aproximar mais o seu rosto do da rapariga. Amanda preencheu o pequeno espaço que os separava, e as mãos do rapaz pousaram-lhe na cintura de modo a puxá-la mais para si. Queria agarrá-la e nunca mais a largar.

Estiveram enamorados por mais alguns minutos, apenas os dois sozinhos, sem proferirem uma única palavra, a partilharem nada mais que beijos e olhares enternecidos. E então aquele som irritante da campainha estragou tudo ao fazer-se ouvir, anunciando que vinham aí noventa minutos de pura tortura escolar. Eles suspiraram os dois, a verdade era que nenhum tinha a mínima vontade de sair dali.

- Temos que ir – foi Amanda a primeira a interromper o silêncio, e Dean revirou os olhos.

- Sim. O lado positivo? – Começaram a andar lado a lado, de mãos entrelaçadas, de novo para dentro do edifício.

- De ter Química? Não sei.

- É que a temos juntos – Amanda riu-se. Podia haver outro modo de interpretar a frase do rapaz, mas a verdade era que Química era das poucas aulas que tinham em conjunto.

Quando chegaram ao corredor já este estava vazio, e por isso apressaram o passo para chegarem mais depressa à sala. Bateram à porta e abriram.

- Amanda, Dean! – Exclamou o professor – Estava-me a perguntar onde se teriam enfiado. Entrem, e que isto não se repita.

- Desculpe – disseram os dois, à medida que se iam dirigindo para os seus lugares.

Amanda sentou-se ao lado de Carry, e esta olhou-a de um modo bastante intimidador.

- Tens o batom um bocadinho borrado… aí ao canto – disse, baixinho. Amanda olhou-a séria, não tinha posto batom nenhum.

- Não sejas mentirosa – sussurrou.

- Foi o bastante para te fazer corar – brincou Carry – Vais ter muitas coisas para me dizer.

A aula lá ia decorrendo dentro da normalidade. Amanda e Dean, de vez em quando, algo discretamente, iam trocando uns olhares, sendo quase sempre “caçados” por Carry, que ria para si mesma. Estava quase a tocar quando Amanda ouviu Dean a chamá-la, baixinho. Olhou e ele mandou-lhe uma folha amachucada. Ela abriu-a e lá dentro viu que tinha algo escrito.

“Vens almoçar hoje à minha casa? Diz que sim”, dizia lá. Amanda olhou para o rapaz e assentiu com a cabeça, corando levemente. Ele sorriu-lhe e piscou-lhe o olho, e então foram repreendidos por estarem distraídos.

O intervalo, passaram-no juntos, longe do grupo onde normalmente estavam. Passaram-no à sombra daquela bela árvore que, tão afastada de tudo o resto, lhes permitia estarem sozinhos e sem interrupções.

- Tens a certeza que não faz mal ir lá comer? – Perguntou Amanda.

- Não, estou sozinho. E depois podemos ir dar uma volta a qualquer sítio, visto que não temos aulas à tarde – propôs Dean.

- Combinado.

O resto do tempo passou depressa, e quando as aulas finalmente terminaram Amanda encontrou-se com Dean ao pé do portão. Foram os dois montados na mota do rapaz para a casa dele, e depois almoçaram juntos na maior das tranquilidades.

- Isto é de loucos – murmurou Amanda, quando finalmente parou de rir do tópico de que falavam.

- O quê? – Dean levou mais um gole de sumo à boca e parou de comer, fitando-a.

- Isto tudo. Consegues imaginar a cara da Daisy quando descobrir sobre tu e eu? Ela vai ficar passada.

- A Daisy? Porquê?

Amanda ficou a olhar para Dean. Seria possível que ele não notasse mesmo?

- Porque ela passa a vida a tentar chamar-te a atenção – disse-lhe, ao que o rapaz franziu os sobrolhos – Oh, vá lá, não me digas que nunca tinhas notado.

- Pensava que era irritante para toda a gente – disse ele, encolhendo os ombros – O que é que queres fazer depois do almoço?

- Não íamos dar uma volta?

- Sim, podemos ir.

Acabaram de comer e arrumaram a cozinha em conjunto. Quando iam a sair, deram de caras com Darryl, acabado de chegar da universidade.

- Por aqui? – Perguntou ele, ao ver Amanda. Deu-lhe um abraço e um beijo na bochecha.

- Sim, é verdade – disse ela, naturalmente.

- Pensava que tinhas aulas até mais tarde – comentou Dean.

- Tive um furo entre as aulas – ia passar para a sala, mas de súbito voltou-se de novo para o irmão e para a amiga de sobrancelha arrebitada – Olhem lá, o que é que estavam aqui a fazer os dois sozinhos? Ainda por cima… nunca se deram muito bem.

- Hum… bem… nós… - Amanda olhou para Dean. Não sabia se ele queria que o irmão soubesse já de tudo, e aquela situação deixava-a algo embaraçada. Facilmente corou.

- Darryl, apresento-te a minha namorada – disse Dean, com a maior das naturalidades, fazendo com que Amanda corasse ainda mais. Tinha sido a primeira vez que o tinha ouvido chamá-la de tal. Darryl abriu os lábios num lindo sorriso, e depois começou-se a rir desalmadamente.

- Estás a falar a sério?! – Perguntou – Mesmo a sério?

Amanda confirmou, e então Darryl pegou-a ao colo e deu uma voltinha com ela, depositando-lhe um beijo na bochecha.

- Bem-vinda à família – sussurrou-lhe ao ouvido – Para alguém aturar o meu maninho tinha mesmo que ser um anjo.

 

Não sei quando é que o próximo vem, que os trabalhos estão a começar a apertar :s

Mesmo assim, espero que gostem e que deixem comentários ^^

9 comentários

Comentar post