Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Destinos Trocados

por Andrusca ღ, em 09.09.12

Capítulo 12

Encontro Duplo

 

- Cindy, isto é uma intervenção! – Rebecca e Phoebe encontravam-se de pé, com caras autoritárias, em frente à entrada da escola. Caroline franziu as sobrancelhas e ficou a olhar para elas, à espera do que Rebecca iria dizer a seguir – Andas diferente. Ontem dispensaste a nossa companhia nas compras para… - Rebecca fingiu um calafrio – passares o dia com o filho do mordomo.

- Keith – corrigiu Caroline.

- Vês? Essa não és tu! – Argumentou Rebecca – Tu queres lá saber se ele é Carl ou John ou William. A Phoebe e eu falámos, e chegámos a uma decisão. Ou voltas a ser como eras… ou páras de fazer parte do nosso grupo.

Caroline olhou para Phoebe e esta baixou o olhar. A rapariga respirou fundo e depois encolheu os ombros.

- Está bem – acabou por dizer, para choque de Rebecca.

- Acho que não percebeste o que isto significa – continuou ela, de nariz empinado – Isto quer dizer que já não podes andar connosco.

- Não Becky – afirmou Caroline – Acho que tu é que não percebeste bem. Isto significa que vocês já não podem andar comigo. Sabes o que tenho reparado? Tens morrido por isto, por isso força. Arrasta a Phoebe para onde quer que vás, trata os outros como escravos… Independentemente do que faças, nunca serás a Cindy Geller, não te esqueças disso.

Caroline virou costas, deixando as outras pasmadas, e caminhou até Nate e Keith, que estavam sentados em cima de um muro pequeno. Os dois rapazes sorriram-lhe e ela encostou-se ao muro, ao lado de Keith.

- O que se passou? – Perguntou ele.

- Acho que tivemos uma zanga… - murmurou Caroline.

Nesse instante uma rapariga de cabelos loiros, vestida de um modo simples mas bonito, passou por eles em direcção a um banco, onde se sentou a ler um livro. Cumprimentou Keith, que também lhe respondeu com um breve “olá” e um enorme sorriso estampado na cara, o que fez com que Caroline e Nate ficassem a olhar para ele.

- O que foi isso? – Perguntou Nate, a rir-se.

- Meu Deus… - disse Caroline – Tu gostas dela!

- O quê? Não… - desmentiu Keith, visivelmente nervoso. Caroline riu-se.

- Gostas sim – insistiu – Não acredito que nunca notei. Quem é ela?

Keith respirou fundo e, perante o olhar curioso dos dois amigos, revirou os olhos.

- Chama-se Rachel – acabou por confidenciar – Está na minha aula de Inglês. Satisfeitos?

- Há quanto tempo é que andas caidinho por ela? – Perguntou Nate.

- Eu não estou… eu não… ela é só… Olhem para ela, não interessa o tempo, porque podem passar anos e ela nunca vai olhar para mim.

Caroline revirou os olhos e desencostou-se do muro. Começou a andar na direcção de Rachel, surpreendendo Nate e quase dando um ataque de coração a Keith.

- Carol… - ia ele gritar. Porém Nate olhou para ele, e por isso suspirou. Como o amigo continuava a mirá-lo, à procura de respostas por ele lhe ir chamar outro nome, Keith teve que dizer mais qualquer coisa – Enganei-me. Não sei porquê, agora chamo Carol a todas as raparigas. Ainda bem que a Cindy não me ouviu, senão esganava-me.

Nate assentiu com a cabeça, pouco convencido.

Caroline chegou ao pé de Rachel e, com um sorriso, perguntou se ela a deixava sentar ali ao pé de si. Rachel disse que sim, mas olhou para ela admirada.

- És a Cindy Geller – disse-te – O que… porque é que…

Caroline riu-se.

- Tens um rapaz na tua turma de Inglês, o Keith…

- Sim, porquê?

Era a primeira vez que Caroline fazia isto. Nunca tinha tido amigos, nem nunca tinha tentado ser a ajudante do cupido, por isso não sabia bem o que estava a fazer.

- Gostavas de sair com ele? – Achou que o melhor era mesmo perguntar de vez.

Passados alguns minutos voltou para ao pé dos dois rapazes, que a tinham observado durante todo o tempo, e encostou-se ao muro com uma cara desanimada.

- Então? – Perguntou Keith, impaciente – O que é que disseste?

- Mais importante: o que é que ela disse – corrigiu Nate.

Caroline voltou-se para Keith e, com uma cara ainda tristonha, começou a falar.

- Lamento Keith… - disse, para depois sorrir com todos os dentes que tinha na boca – Tens que cancelar os teus planos para hoje, porque tens um encontro às sete horas!

 

✽✽✽

 

Keith andava por casa num desassossego. Caroline já o tinha ajudado a escolher a roupa e dito para não estar tão tenso, mas era completamente escusado.

- Caroline… - estavam os dois no quarto de Cindy – Não queres vir connosco?

Caroline, que estava sentada à secretária, olhou para ele e franziu as sobrancelhas.

- Acho que ia estar a mais – disse, a rir-se.

Keith suspirou. Há umas horas atrás Nate tinha-lhe sugerido fazerem um encontro duplo. Ele detestara a ideia, até porque não queria o amigo ainda mais apaixonado por Caroline, mas agora até não lhe parecia má de todo.

- Convidávamos o Nate – sugeriu. Caroline sentiu as bochechas a aquecer.

- Achas mesmo que é boa ideia? – Desde sábado à noite que os dois não tinham tido um momento sozinhos, e Caroline não ansiava por essa altura. Sabia que, quando chegasse, Nate iria querer continuar a conversa. E sabia que não o poderia fazer. “És uma rapariga prática”, dissera-lhe Joseph ainda hoje, “segue o plano”. E ele tinha razão, ela era uma rapariga prática, sempre fora. Nunca, em dezassete anos de vida, tinha deixado os sentimentos se sobreporem à razão.

- Assim, se a Rachel não se estiver a divertir, pode ser que não seja um fiasco completo – insistiu Keith – O Nate diz que até já encontrou o sítio ideal.

Caroline franziu as sobrancelhas.

- Então ele já sabe disto…

Keith engoliu em seco. Já tinha falado demais.

- Diz que sim. Por favor.

 

✽✽✽

 

O restaurante em que estavam os quatro era finíssimo. Nate tinha ficado sem fala assim que pousara os olhos em Caroline. Ela envergava um vestido abaixo do joelho, lilás, uns sapatos de salto alto e o cabelo apanhado. Estava requintada q.b., e simples ao mesmo tempo. Assim que foi ter à casa dos Geller, seguiram para a casa de Rachel. Já esta usava uma saia e uma blusa, com uns sapatos também de salto, e tinha optado por levar o cabelo solto.

Quando a comida chegou, as raparigas ainda tagarelavam entre si. Caroline gostou de Rachel assim que começaram a falar. Achava-a simpática e simples, e ela estranhou o facto de “Cindy” ser tão amável e interessante, o que até comentou.

Depois começaram a comer sempre com muita conversa à mistura, e Caroline e Nate trocaram uns olhares algo cúmplices enquanto Keith e Rachel se riam um para o outro. Ninguém podia negar, havia amor no ar.

- Cindy… vens comigo? – Pediu Nate, após terem terminado a refeição. Caroline franziu as sobrancelhas, desconfiada, mas acedeu ao pedido dele.

Deixaram os outros dois na mesa e Nate encaminhou-a para um pequeno parque ao lado do restaurante. Tinha uma fonte no meio, iluminada com luzes e com alguns peixes vermelhos lá dentro, e várias árvores em redor.

Nate ia continuar a conversa de sábado à noite, mas Caroline tropeçou numa pedra e caiu. Ele baixou-se preocupado e franziu as sobrancelhas ao vê-la a rir.

- Não te magoaste? – Perguntou.

Caroline tentou controlar o riso, e depois auxiliou-se nele para se levantar.

- Só um bocadinho – admitiu.

- Então porque te estás a rir? – Nate levou-a até à fonte e sentou-a lá, esquecendo completamente a conversa que estava prestes a ter – Deixa-me ver isso.

- Porque… - Caroline respirou fundo e puxou o vestido um pouco para cima. Tinha o joelho ligeiramente esfolado e o cotovelo também – Não caía assim há que tempos.

Nate, de cócoras em frente a ela para lhe ver o joelho, também se riu. “Ela é inacreditável”, pensou para si. Levantou-se e sentou-se ao lado dela, também no rebordo da fonte. Quando parou de rir, respirou fundo e olhou para ela ao mesmo tempo que ela olhou para ele.

- Cindy… - murmurou.

- Sim…?

Nate engoliu em seco e, aos poucos, começou a aproximar-se da rapariga. Caroline sentiu as suas bochechas a ferver, mas não se ia afastar. Não o ia afastar. Sabia que era errado mentir-lhe e omitir-lhe quem era, mas naquele momento não se importava com isso. Só ele lhe importava. Mas, como até agora o destino não parece ser simpático para com ela, quando os lábios de ambos se estavam prestes a tocar, alguém tossiu mesmo à frente deles. Nate respirou pesadamente e voltou a cabeça, vendo Keith e Rachel.

- Estávamos a ficar com calor lá dentro – disse o filho do mordomo, desculpando-se.

- Mas parece que também está calor cá fora – comentou Rachel, fazendo os outros rir.

Caroline e Nate trocaram um breve olhar e depois levantaram-se.

- Vamos lá – disse Caroline – Vamos dar uma volta.

 

Parece que eles andam com azar

Pode ser que no próximo capítulo tenham alguma sorte... (a)

12 comentários

Comentar post