Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Spotlight

por Andrusca ღ, em 16.12.10

Agora sim...

Espero que gostem ^^

 

Capítulo 24

O Reencontro

 

Seth

 

Já estava a pé ainda antes de o sol nascer. Não conseguia dormir com tanta inquietação. É hoje. Hoje vou falar com ela e vou esclarecer tudo de uma vez por todas. No pior cenário, ela só me dá com os pés e volto a não ter razão nenhuma para existir e depois fico condenado à miséria para o resto da vida e vivo uma vida incompleta e infeliz. No pior cenário.

Mas pelo menos escuso de me andar a esconder. E fico logo a saber o que esperar daqui para a frente.

Ia tomar banho quando Sam entrou pelo meu quarto a dizer que precisava de mim na casa da Emily o mais rápido possível, e depois, assim sem mais nem menos, foi-se embora.

Tomei o banho e depois fui então para a casa de Emily, ainda era cedo.

 

Alyson


Quando o despertador tocou desliguei-o logo para não acordar Leah, mas não resultou. Descobri que tem um mau-humor matinal do pior.

Despachámo-nos e fomos as duas para La Push.

A equipa já lá estava toda, e por isso fui logo para a maquilhagem.

As gravações ocuparam-me o dia todo, mas mesmo assim consegui tomar uma decisão. Quando me despachasse iria ter com Seth. Íamos falar sobre tudo o que se passou. Devia-lhe ao menos isso.

Hoje já estava mais concentrada. Conversar com Leah, por mais estranho que pareça, fez com que me sentisse um bocadinho melhor.

E fiquei a saber que Seth não me tinha esquecido. E isso era bom… certo? Quer dizer, tinha que ser bom. E se ele quiser mais do que amizade? Será que lhe posso ser mais que uma boa amiga? Querer aqui não é a questão, é poder. Os problemas que nos separaram da primeira vez continuam cá, ele continua a ser um lobisomem – não que me incomode – e eu continuo a ser uma actriz que sai todas as semanas em todas as revistas.

Quando acabaram as filmagens eram sete da tarde. Ia ser agora. Caminhei até casa de Seth e parei mesmo junto à porta. E se fosse a mãe dele a abrir-ma? Acho que morria de medo, ela tem qualquer coisa de assustadora.

Respirei fundo e bati à porta cheia de esperanças. À medida que ouvia passos a aproximarem-se, o meu coração ia batendo mais depressa e mais depressa até dar a impressão de me querer saltar do peito. Ouvi deitarem a mão à porta e quando esta se abriu vi… Leah.

- Leah – murmurei, desgostosa.

- Oi. O que é que estás aqui a fazer? – Perguntou-me.

- O Seth está?

- Não, saiu. E olha que ia todo arrumadinho…

Será que ia para um encontro?

- Ok, obrigada.

Virei costas e comecei a caminhar em direcção à estrada enquanto telefonava a um táxi. Não acredito que agora que ganhei coragem, ele decidiu ir num encontro.

 

Seth

 

Quando me despachei de tomar banho chamei a minha irmã. Precisava de ajuda urgentemente. Ela lá me disse que uma camisa branca e umas calças de ganga com uns ténis me ficavam melhor que os calções e a t-shirt, e pronto, lá decidi fazer o esforço para agradar a Alyson. Eram um quarto para as sete quando me despachei finalmente e disse a Leah que ia sair, mas não lhe disse onde.

Fui no Rabbit de Jacob até ao hotel onde Alyson estava hospedada, perguntei em que quarto era e subi no elevador. Quando cheguei à porta estagnei e senti as mãos a começarem a transpirar e o coração a bater mais e mais. Como seria a sua reacção ao ver-me?

Enchi-me de coragem e bati à porta. Esperei, esperei, esperei, mas nada. Ninguém abria. Voltei a bater o mesmo aconteceu.

Não tinha pensado na possibilidade de ela não estar no hotel.

Comecei a caminhar pelo corredor e deitei o ramo de flores que tinha levado para o primeiro caixote de lixo que encontrei. Não há palavras para descrever a dor que sentia, e então chamei o elevador que ao chegar ao andar onde estava fez “bip” e se abriu.

Fiquei boquiaberto a olhar para Alyson, que lá estava em pé, de cabeça baixa e a limpar as lágrimas com uma mão. O vazio que sentia de repente desapareceu mas ainda não podia habituar-me a viver sem ele. Ela ainda não era minha. Só queria consolá-la, perguntar o porquê de se encontrar naquele estado, mas fiquei simplesmente parado a olhar enquanto ela ainda olhava o chão.

Os seus olhos levantaram-se subitamente para mim e o meu coração começou de novo a disparar a mil à hora.

 

Alyson

 

Ao entrar para o elevador as lágrimas começaram a cair e limpei-as com apenas uma mão. O elevador chegou ao meu andar mas eu continuava a observar o chão.

Finalmente decidi sair do elevador e levantei os olhos, só para encontrar… os olhos de Seth a fitarem-me. Nem mil palavras chegavam para explicar o turbilhão de coisas que estou sentir, mas bem resumido, nada mais importava.

Ficámos os dois parados, a afundarmo-nos nos olhos um do outro, até que as portas do elevador se começaram a fechar e Seth as parou com as mãos.

- Alyson… - disse ele, porém eu interrompi-o.

- Eu não acabei tudo por seres quem és. Foi por minha causa, e eu fui estúpida e…

- Está tudo bem.

- Não! Não está tudo bem. Eu deixei-te a pensar que eras um monstro e que a culpa era tua e…

Ele agarrou-me na mão e puxou-me para fora do elevador.

- Está tudo bem. O Quil disse-me tudo.

- Mas Seth…

- Responde-me só a isto: Amas-me?

- Claro…

- Era tudo o que precisava de saber.

E puxou-me para si beijando-me com um misto de saudade, desejo, amor… tudo. Fomos para o meu quarto devagar, sem nos pararmos de beijar, e depois caímos por cima da cama.

- O que é que os paparazzis vão dizer quando me virem sair de manhã? – Perguntou ele, entre beijos.

- Não me interessa. Tudo o que quero és tu.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2