Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Spotlight

por Andrusca ღ, em 17.12.10

Capítulo 25

Juntos de Novo

 

Alyson

 

Quando acordei, Seth estava ao meu lado ainda adormecido. Acordei quentinha, pela primeira vez desde que tinha vindo para Forks.

Olhei para o quarto, se o meu pai entrasse aqui agora dava-me um ataque a mim e outro a ele. As roupas – minhas de Seth – estavam espalhadas por todo o quarto, tal como os sapatos.

Virei-me para Seth e abracei-me a ele. Tinha-o aqui comigo e era só isso que importava.

Ele mexeu-se um pouco e virou-se para mim a sorrir.

- Bom dia – disse-me, com aquele ar sonhador e o sorriso que tanto adoro.

- Olá – disse-lhe também, de certeza que com um sorriso incontrolável.

Ele aproximou-se ainda mais de mim e deu-me um beijo suave nos lábios, desviando-se depois.

- Dormiste bem? – Perguntou.

- Não… - respondi, com um sorriso meio maroto – Não me deixaste dormir.

- Bem, também me mantiveste bem acordado – ele também fez um sorriso e voltou a beijar-me, agora com mais paixão que nunca.

Quando o beijo acabou e os seus lábios se desprenderam dos meus, ficou a olhar para mim com aqueles olhos sonhadores, e não consegui evitar corar.

- O que foi? – Perguntei, com um sorrisinho nervoso.

- Tive saudades tuas – disse, lentamente – E não esperava nada que a noite de ontem acabasse assim.

- Também tive saudades tuas. Fui à tua casa mas a Leah disse-me que tinhas saído… todo aperaltado. Estava a chorar porque achei que estivesses num encontro.

Ele riu-se, mas eu não achei piada nenhuma. Eu aqui a dizer que tive saudades e fiquei super triste quando achei que ele já não queria nada comigo e ele ri-se?

- Seth! – Disse eu.

- Desculpa só… - abanou a cabeça e sorriu de novo – Essa ideia é completamente hilariante. O Quil não te explicou como me sinto por ti, pois não?

- Bem… explicou o que o imprinting é mas… não sei, é um bocado difícil de acreditar.

- Mas podes acreditar. Eu amo-te, e vou sempre amar-te. Não por o imprinting me obrigar, mas porque não me consigo imaginar sem ti.  Desde o primeiro momento que te vi, a sair daquele café, o meu mundo mudou completamente. E mesmo se não existissem imprintings, tenho a certeza que faria de tudo para te conhecer e ser parte da tua vida. Aperaltei-me porque queria vir falar contigo e queria estar bem.

- Eu sei – sorri-lhe pela milionésima vez – Estou feliz por teres dito isso. Eu sinto o mesmo.

Ele sorriu e voltou a beijar-me enquanto ainda chegava o seu corpo a escaldar mais para mim.

Este momento tão perfeito não podia ser estragado por nada nem ninguém. Ninguém… excepto:

- Alyson! – O meu pai. Batia à porta e gritava pelo meu nome.

- Oh não! – Só então olhei para o relógio – Oh deus, estou super atrasada!

- O que é que fazemos? – Perguntou Seth.

- Fica aqui, eu livro-me dele.

Apanhei o meu robe do chão e vesti-o, levantei-me e corri até à porta da suite, tendo o cuidado de fechar a porta do quarto para que o meu pai não visse Seth.

Tremi antes de abrir a porta, ainda não tinha notado o frio que estava. Abri-a e brindei o meu pai com um sorriso não muito feliz e com um misto de sono, para que ele não desconfiasse de nada.

- Ainda estás assim? – Perguntou-me.

- Eu adormeci, desculpa – disse eu – Vai andando, eu já vou ter às gravações.

- Está bem – deu-me um beijo na bochecha e foi-se embora – Não te demores muito! – Gritou, antes de eu fechar a porta.

- Ok.

Assim que fechei a porta, apressei-me a voltar para ao pé do meu Seth para ele me abraçar e aquecer. Abri a porta do quarto e já não o vi. Dei meia dúzia de passos para dentro e fiquei a observar a cama vazia. Onde se terá metido?

- Seth? – Chamei.

Uns braços viraram-me para trás e uns lábios encontraram os meus. Seth já me abraçava de novo enquanto me beijava, e lentamente voltámos a cair na cama, mas tive que o parar, com bastante esforço.

- Sabes que não podemos ficar assim o dia todo, não sabes? – Perguntei, com pena.

Ele suspirou e rolou de cima de mim para ao meu lado, em cima da cama. Ficámos os dois a olhar para o tecto.

- Sim, eu sei – murmurou – Mas mesmo assim, um rapaz pode sonhar.

- Fazemos assim: eu vou-me despachar, vamos juntos para La Push, à hora de almoço vou ter contigo e quando me despachar à tarde também. E depois passamos o resto do dia juntos. Que tal?

- Pode ser.

Dei-lhe mais um beijo e fui-me despachar para a casa de banho.

14 comentários

Comentar post

Pág. 1/2