Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Spotlight

por Andrusca ღ, em 22.12.10

Capítulo 31

Primeira Discussão

 

Seth

 

Estive a manhã toda a patrulhar com a alcateia, enquanto Sam foi a Forks investigar dois desaparecimentos. Eu tenho a certeza de quem é o culpado. Há apenas um sanguessuga na zona, logo não é difícil de se perceber. Mas ninguém acredita em mim. Vêm com as tretas de “tu tens é ciúmes porque ele beijou a tua miúda” ou “dizes isso porque achas que eles se dão bem demais”. Confesso, odeio que sejam tão juntos. Mas nunca o iria acusar assim por causa de ciúmes. Além disso confio na Alyson e sei que ela gosta de mim. Certo?

Voltei à minha forma humana perto de casa e vesti os calções. Já cheirava a comida, ainda bem, estava esfomeado.

Abri a porta e fiquei surpreso com o que vi. Alyson estava a pôr quatro pratos na mesa.

- Ally? – Perguntei, para ter a certeza que não estava a sonhar.

Ela olhou para mim, deitou-me um daqueles sorrisos deslumbrantes e apressou-se a abraçar-me e a dar-me um beijo – O que é que fazes aqui?

Nisto a minha mãe apareceu saída da cozinha, e trazia copos. Copos estes que Alyson se apressou a agarrar e a pôr na mesa. Que raios é que se passava aqui?!

- Olá querido – disse a minha mãe, com um sorriso, ao voltar para a cozinha.

Alyson voltou de novo para ao pé de mim e de certeza que notou a minha cara de desprevenido. Afinal, desde quando é que ela e a minha mãe se dão bem?

- A tua mãe está a fazer os vestidos para o casamento da Emily – explicou a minha razão de existir – E eu sou uma das damas de honor.

- Bem… pelo menos vocês ainda não partiram a casa toda.

Ela deu-me um pequeno empurrão na brincadeira.

- Não sejas parvo – disse-me – Eu até gosto dela.

- Gostas? Da Sue Clearwater?

- Seth! Nós falámos, e sim, eu gosto dela.

- Bem… é bom saber.

- Como foi a patrulha? – Puxou-me e deixámo-nos os dois cair no sofá.

- Foi… inconclusiva. Ainda não sabemos quem anda a criar estas mortes. E tu, o que é que fizeste de manhã?

- Gravações.

- O Tom estava lá?

- Estava.

Quando Leah chegou, almoçámos os quatro, e para meu espanto era mesmo verdade: Ally e a minha mãe davam-se super bem. Estava feliz por elas, e pela situação entre as duas se ter resolvido claro, mas era estranho vê-las tão unidas. Um estranho bom.

Ally disse que às quatro tinha que voltar às gravações, e como a minha mãe e Leah saíram depois do almoço, nós disponibilizámo-nos para arrumar a cozinha. Feito entre os dois, foi num instante.

Passámos o tempo a namorar, até que bateram à porta. Era Sam. Vi pela sua expressão que havia problemas.

- O que se passou? – Perguntei. Ally esperava expectante, ao meu lado.

- Houve outro desaparecimento. Esta manhã – disse Sam.

- Manhã? – Perguntei.

Alyson olhou para mim e parecia chateada. Ela sabia que secretamente, eu culpava Tom pelos misteriosos desaparecimentos, e não gostava nada da ideia.

 

Alyson

 

Assim que Sam disse que o desaparecimento tinha sido de manhã, e Seth quis confirmar isso, olhei para ele. Ele teima em culpar Tom por estas coisas. Mas ele é inocente, eu sei que é.

Sam foi-se embora minutos depois e ainda faltava meia hora para eu ter que ir. Sentámo-nos os dois no sofá em silêncio. Eu sabia que se falasse neste assunto, íamos discutir, por isso decidi ficar calada. Infelizmente, ele não pensou assim.

- O Tom esteve sempre nas gravações? – Perguntou.

- Sim Seth – respondi, enfadada.

- Ouve… tu sabes o que eu penso. Desculpa mas… eu acho que é melhor se te afastares dele por um bocado.

- O quê? – Virei-me para ele – Seth, não me podes pedir isso. Não é justo.

- É para o teu bem.

- Não Seth, não é. Porque é que não dizes aquilo que pensas? Força, sem meias palavras.

- Tudo bem, eu não confio nele e não o quero a beijar a minha namorada.

- Oh… então isto ainda é por causa do beijo?!

- O Embry disse que vocês pareciam estar mesmo apaixonados, o que é que queres?!

- Credo, não sei… que confies em mim?!

- Eu confio em ti, é nele que não confio!

Levantei-me do sofá e fiquei a encará-lo, mas ele continuou a falar:

- O Embry também disse que ele alterou o guião. Que se começou a declarar a ti Alyson!

Agora já estávamos os dois levantados.

- Ele é actor Seth, e eu também! Estávamos a representar!

- Não foi o que pareceu. A sério Ally, que mais precisas? Que ele to diga com todas as letrinhas?!

- Mesmo que goste, o que é que achas que vai acontecer?! Ou amo-te a ti Seth, não a ele! E ele está apenas confuso, a vida dele deu uma grande volta, e não é justo que o julgues assim! Ele não é um assassino.

- Tens a certeza?

Calei-me por uns momentos. Claro que sabia que Tom não era um assassino. É claro que confio nele. E é óbvio que ele não está apaixonado por mim.

- Tenho – respondi, por fim.

 

Seth

 

Não conseguia perceber como é que ela conseguia acreditar tanto num sanguessuga. Se bem que já se conheciam antes mas… mesmo assim, um sanguessuga é um sanguessuga.

Vi-o pela janela, por trás de Alyson.

- E se ele gostar de ti? – Perguntei.

- Não precisas de ter ciúmes – Ela já tinha amenizado o tom de voz, e eu também. Começou-se a aproximar de mim e pôs os seus braços por cima dos meus ombros, enquanto eu lhe agarrava na cintura – Eu amo-te é a ti, não a ele. Ok? E vou sempre amar-te a ti.

Pôs-se em bicos de pés e beijou-me, abraçando-me em seguida. Vi o sanguessuga a afastar-se, sabia que tinha ouvido tudo. Isto é para aprender a ficar longe da minha Alyson. Toma e embrulha sanguessuga.

17 comentários

Comentar post

Pág. 1/2