Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Spotlight

por Andrusca ღ, em 24.12.10

Apesar de ter tido poucos comentário há bocado... vou postar mais um, a pedido da CátiaO.

Beijinhos e feliz Natal :D

 

Capítulo 34

O Casamento

 

Alyson

 

Quando o despertador tocou apressei-me a desligá-lo. Se ouvisse aquele bip irritante mais alguma vez juro que a minha cabeça explodia.

Hoje era o casamento do Sam e da Emily, e Seth ainda não tinha aparecido.

Levantei-me e arrastei-me até à casa de banho, onde me assustei ao ver-me ao espelho. Tinha umas olheiras enormes destas duas últimas noites que não dormi, e estava pálida – admito, não ando a comer muito bem.

Mas estou preocupada com ele, o que é que posso fazer?!

Tomei um duche rápido e vesti um fato de treino com um casaco quente por cima.

Apanhei em táxi que me levou a La Push e depois corri até casa de Seth, onde entrei sem sequer bater à porta.

Emily já estava vestida, e Sue estava-lhe a ajeitar o vestido. Era um vestido muito simples, bege, que caía normalmente e tinha uns enfeites no peito. Mas como eu estava, nem o conseguia apreciar bem.

- O Seth já voltou? – Perguntei, tal como fizera ontem.

Ambas abanaram a cabeça e em seguida Leah chegou à sala, já com o seu vestido lilás de dama de honor, igual ao meu.

- Ainda não te vestiste? – Perguntou-me.

- Desculpa, acabei de chegar – disse-lhe.

- O vestido está no meu quarto. Vai, despacha-te – mandou.

Obedeci ainda meio “desligada”. A minha mente estava num sítio e num sítio apenas.

Depois de vestir o vestido, deixei o cabelo solto e voltei a olhar-me ao espelho. Se a maquilhagem não existisse, quem olhasse para mim fugia.

Em duas horas estava tudo pronto para o casamento, que ia ser ao ar livre. Espreitei para a rua e vi Quil e Embry todos aperaltados. Mas nem um sorriso me apareceu nos lábios. Estava demasiado preocupada. Nesta altura nem sequer consigo fingir felicidade. Claro que estou contente por eles… mas não consigo fingir que está tudo bem.

Leah deve ter reparado que eu estava a ficar claustrofóbica e que precisava de apanhar ar, por isso levou-me para a rua.

- Ele vai cá estar – disse-me, quando nos encostámos a uma árvore.

- E se não estiver? – Perguntei, com a voz a falhar.

- Eu sei que estás preocupada. Também estou. O Seth só fica fora durante este tempo quando estamos em patrulha, ou quando precisa de escapar. Ele fê-lo durante dois meses, quando te foste embora. Mas agora… não consigo imaginar o que o manteria longe.

- Oh não…

O Seth não está. E o Tom não está. E eles nunca se deram bem. E um é lobisomem e outro é vampiro. E o Seth andava constantemente a acusar Tom de várias coisas.

Um arrepio passou-me pelo corpo todo enquanto agarrei no telemóvel, que tirei a pequena malinha de cerimónia que tinha, com as mãos a tremer.

Procurei na lista o número de que precisava e esperei até que atendessem, enquanto Leah olhava para mim sem perceber o que se estava a passar.

- “Estou?” – Atenderam.

- Estou, é a Alyson.

- “Oh, olá querida, estás boa?” – Era claramente a mãe do Tom.

- Sim, obrigada. Desculpe mas… o Tom está aí?

- “Claro que não… ele está em Forks em filmagens.”

Ficou um silêncio de morte em todo o lado. Os barulhos continuavam, eu é que não os ouvia. Estava completamente petrificada, e por momentos fiquei presa num mundo só meu.

- Obrigada – desliguei o telefone e virei-me para Leah com cara de pânico.

- O que foi? – Perguntou ela, desconfiada.

- Leah… eu acho que o Tom tem o Seth.

- O quê?! Como é que sabes?

- Olha… não temos tempo, eu simplesmente sei, ok? E agora preciso mesmo que confies em mim.

- Ok. Vai avisá-los, nós vamos já. Eu transformo-me e… - ela deve ter notado a minha cara de puro pavor – Alyson, vai correr tudo bem.

- Certo…

Corri de volta a casa de Seth mas como não vi ninguém deixei um papel escrito a explicar tudo, juntamente com a minha mala.

Quando voltei para ao pé da árvore, Leah já estava transformada. Respirei fundo antes de subir para cima dela.

Quando ela começou a correr, o meu mundo passou-me todo à frente. Ela era tão rápida!

Não sei como ela sabia para onde ir, mas uns minutos depois de termos saído nesta busca, encontrámos uma cabana.

Eu desmontei-me dela e caminhei lentamente, abrindo a porta. Espreitei cuidadosamente e Leah rugiu, mas eu não liguei, porque vi Seth, o meu Seth, estendido no chão.

Corri até ele e abracei-o.

- Oh Seth! Eu sabia que se passava qualquer coisa, eu sabia! – Murmurei, enquanto o acariciava.

Os olhos dele descolaram-se dos meus e dirigiram-se para trás de mim, para onde olhei. Vi corpos. Eram quatro e reconheci-os como sendo as pessoas desaparecidas que tanto se falava.

Ouvi mais um rugido vindo de Leah e em seguida vi-a a voar, literalmente, contra a parede e a cair.

- Leah! – Gritei.

- Ora, ora, ora – disse Tom, mesmo à minha frente.

Larguei Seth a todo o custo e ergui-me, de frente para Tom. Ainda não acredito que ele é o culpado disto tudo. Enganou-me mesmo bem.

- Finalmente estás aqui – disse ele. Agora tinha que pensar bem, as vidas de Seth e de Leah podiam estar nas minhas mãos. Bem, se Tom me ama… deve querer que o ame de volta… certo?

- Tom? – Perguntei, sem lhe dar tempo para dizer nada – Vamos embora.

- O quê? – Parecia surpreendido.

- Vamos sair daqui. Tu e eu, por favor.

- Queres mesmo ir comigo? Ou estás-me a mentir?

- Vá lá Tom… tu conheces-me – encolhi os ombros – Sabes que não sei improvisar, e isso faz de mim uma péssima mentirosa. Se digo que quero ir contigo, é porque quero.

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2