Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Uma Rosa Para Todo o Sempre

por Andrusca ღ, em 06.01.11

E o 4º capítulo chegou ^^

Espero que gostem e que comentem muito :p

 

Capítulo 4

Conversas Importantes

 

- Derek, o que foi? – Insisti.

- Só… tu.

Senti-me a corar.

- O que é que queres dizer? – Perguntei.

- Não acredito que daqui a tão pouco tempo vais ser minha para toda a eternidade…

Sorri.

- Por momentos assustaste-me – murmurei.

- Agora, eu provei-te que vampiros podiam ser bons, e em breve vou-te mostrar que aquilo dos “felizes para sempre” em que não acreditas, também pode existir – disse-me, largando-me finalmente do seu olhar.

- Estou ansiosa para saber se consegues – disse-lhe – Mas até lá… eu tenho exames.

- Hum… vim aqui para estudarmos, certo?

- Infelizmente sim…

- Podemos estudar amanhã.

- Mas amanhã podíamos ir dar uma volta e…

- Chloe… não te preocupes, tu és uma aluna fantástica, vais-te sair lindamente nos testes.

- Desculpa, tens razão, é só… sinto que há uma pressão a mais nestes exames, como…

- Como se passares… vais ter uma vida completamente nova.

- Não. Quer dizer, sim, mas não é isso.

- Não?

- Eu já me decidi Derek, já te tinha dito.

- E estás pronta?

- Como é que alguém se prepara para isto?

- Com perguntas, respostas… e tu ainda não fizeste nenhuma delas…

- Ok, então vou-me começar a preparar – ele agarrou-me na mão e começou a brincar com os meus dedos enquanto esperava que eu avançasse – Dói muito?

- A transformação?

- A morte.

- Depende de como irias morrer. Nós vamos fazê-lo rápido, para que não dês por nada. Será como adormeceres.

- E o que é que acontece enquanto eu vou estar… a dormir?

- Vais sentir como se te estivessem a torturar, ou talvez tenhas um sonho lindo, varia de pessoa para pessoa… mas a maioria delas sente uma tortura que as faz querer desistir de tudo.

- E se isso acontecer, o que é que faço?

Ele aproximou o seu rosto do meu e pôs-me uma mecha de cabelo para trás das orelhas.

- Olha-me nos olhos – pediu, ao que eu obedeci sem qualquer esforço – A dor vai ser forte, tal como a vontade de desistir. Mas se a pessoa não quiser acordar e não se esforçar, pode ficar assim num indeterminado período de tempo.

- Eu quero acordar mas… e se não souber como?

- Vais-te lembrar de mim. Vais-te lembrar dos teus irmãos, e da Gwen. Os teus amigos. E vais acordar. E então a dor terá ido embora.

- Simplesmente assim?

- Não é simples… requer esforço, e paciência…

- Mas ainda não vou ser forte, quer dizer, então lá, ainda sou humana. E se não conseguir lidar com essas coisas todas?

- Chloe, tu és forte. Vá lá, tu és perfeita – senti-me a corar de novo – O que estás a sentir é normal. Tiveste a oportunidade de escolher, e como tal tens tempo para pensar. Nos prós e nos contras.

- É esse o problema. Eu sei que devia ver contras mas… não vejo. E isso assusta-me um bocadinho.

- Bem, não vais poder estar ao sol.

- Eu já não faço isso.

- E vais ter que beber sangue.

- E isso soa a pouco. Quer dizer, se há dois anos me dissessem que ia ter que beber sangue eu ia ficar super enojada mas agora? Agora eu meio que acho normal…

- Diz-me o que te vai na mente. É para isso que cá estou Chloe, para responder ao que queres saber, e para ajudar…

- Como é que foi para ti?

- Foi… é difícil de explicar. A dor é… muito intensa, é doloroso, parece que a tua cabeça vai explodir a qualquer momento… e depois sente-se um alívio enorme ao acordar, mas depois vem a sede, que queima a garganta e não pára até ser saciada.

- Posso perguntar uma daquelas perguntas mesmo estúpidas?

Ele pôs o braço à minha volta e chegou-me mais para ao pé dele, deu-me um beijo na nuca e pousou o seu queixo na minha cabeça.

- Podes perguntar tudo – senti o seu maxilar a mexer enquanto falava.

- Nunca tiveste aquela… como é que vou dizer isto?

- O quê? Chloe, podes perguntar qualquer coisa, estou aqui para ti.

Eu sabia isso. Só não sabia exactamente como formular a pergunta. Desviei-me dele e cheguei-me para a mesa-de-cabeceira, agarrei no Crepúsculo, que estava lá em cima, e voltei a encostar-me a ele.

- Alguma vez leste este livro? – Perguntei.

- O que é que achas que faço enquanto dormes? – O tom que lhe saiu era de puro gozo, e eu ri-me – Eu conheço a história.

- Ok, há o Edward, que não gosta de ser vampiro, porque sente que é um monstro…

- Sim…

- E eu disse-te isso várias vezes antes de me apaixonar por ti. Que eras um monstro.

- Sim…

- Nunca acreditaste?

- No quê? Que sou um monstro?

- Que vampiros são monstros.

- Chloe sê honesta… do que é que tens medo?

- E se eu… quer dizer… e se eu acordar diferente? E se eu só quiser sangue e não preocupar com mais nada, e se… e se me tornar na Charlotte?

- O quê? – Ele riu-se e depois respirou de alívio e apertou-me mais. Por momentos não quis que me apertasse e me chegasse mais para ele. Era uma pergunta perfeitamente plausível.

- A Charlotte já era assim bem antes da transformação…

- Tudo bem, talvez não tenha sido um bom exemplo mas… tenho medo de que quando me tornar vampira posso não ser eu. E se eu… e se me torno má? Quer dizer, nem todos os vampiros foram maus quanto humanos…

- Chloe – elevou a minha face com um dedo para que lhe olhasse nos olhos e beijou-me levemente –, nunca serias má. Nunca serás. Não é quem tu és. Não o tens em ti.

- Todos têm mal dentro de si Derek.

- Ok, mas tu tens uma percentagem muito maior de bem.

- E se ela acabar por se desvanecer durante as horas de tortura?

- Olha, não precisamos de fazer isto, podemos esperar mais até te sentires preparada, podemos… sei lá, esperar mais dois, três anos… - na voz dele soava compreensão, e preocupação também, juntamente com um desejo ardente de me manter a salvo.

- Não! Eu estou pronta, eu quero tornar-me vampira, tu sabes isso.

- Eu transformo-te quando quiseres, é a única coisa que posso prometer. Eu amo-te e quero ficar contigo, mas tu precisas de ter a certeza Chloe, eu não vou a lado nenhum mesmo que não te transformes. Nunca seria capaz.

- Podemos falar de outra coisa? – Na minha voz quase que se notava súplica.

- Claro. Onde é que escondeste o vestido? – Perguntou de novo, com aquele sorriso gozão e voz de brincadeira que tanto adoro nele.

Dei-lhe um empurrãozinho ao de leve – senão ainda magoava a mão – e ele deixou-se cair de costas na cama.

Deixei-me cair ao seu lado.

 

♥♥♥

 

Fui das primeiras a acabar o exame. Já estava. Finalmente o último exame estava feito. Arranjei as folhas e pousei a caneta na mesa. Olhei em volta e vi que apenas mais duas colegas minhas tinham acabado, e uma delas era Verónica, logo não contava.

Assim que tocou o professor começou a recolher os exames e a deixar-nos sair. Quando saí já Derek me esperava, encostado ao seu carro.

- Então, como correu? – Perguntou, depois de me dar um beijo.

- Bem, e a ti, vale a pena perguntar? – Franzi o sobrolho.

- Foi uma tortura. Ter que escrever tão lentamente para não acabar cedo demais… - ele falou como se tivesse sido mesmo uma grande tortura.

- Oh sim, isso é mesmo das piores coisas que pode acontecer.

- O que é que vais fazer à tarde?

- Trabalhar.

- No Coffee 4 Ever?

- Claro, onde mais?

- Eu acho que nós vamos lá ter – referia-se a ele e aos seus irmãos, e a Gwen – para celebrar o facto de os exames terem sido um sucesso.

- Ainda não sabemos a nota – avisei.

- Isso é um pormenor – começou a contornar o carro pela frente e entrou para o lugar do condutor. Eu entrei para o do pendura.

- É o pormenor mais importante de todos – insisti.

- Vá lá, as notas vão ser óptimas.

- Eu sei.

Derek deixou-me em casa, comi duas fatias de pizza e saí para o café, para ir trabalhar. Nem tinha estado com Gwen depois do exame, não sei como lhe correu. Quando tivesse um tempinho tinha que lhe telefonar.

Assim que entrei no Coffee 4 Ever tive logo que ir atender duas mesas, e estive quase quinze minutos de um lado para o outro. Depois encostei-me ao balcão, dei uma última olhadela para ver se estava tudo calmo, e telefonei a Gwen.

- “Olá, tem calma, estamos a caminho” – disse ela, ao atender.

- Ah, ok. Não sabia se vinham já e queria saber como te tinha corrido o exame.

- “Como é que achas que lhe correu o exame?” – A voz era de Gary – “Ela é super inteligente, só podia ter corrido super bem”.

Depois ouviu-se um barulho que parecia um beijo. Estes dois… ainda ouvi o barulho de vento no telemóvel e depois…

- Olá linda – esta voz de veludo só podia ser de uma pessoa.

- A roubar telemóveis? – Perguntei.

- Eles nem notaram – ele riu-se – Olha pela janela.

Obedeci e vi-os aos quatro – os Thompson e Gwen – a virem quase a entrar no café.

Sorri, desliguei o telemóvel e fui-lhes abrir a porta. Quando entraram Derek deu-me um beijo, Gwen e Verónica um abraço, e sentaram-se numa mesa.

- O que queres que te traga Gwen? – Perguntei.

- Agora estou-me a sentir excluída – disse Verónica.

- Oh, desculpe, nós aqui não temos o tipo de alimento próprio para si – disse-lhe, com um gozo genuíno, mas a tentar soar bastante profissional.

- Hum, não sei não – disse ela, com o mesmo tom que eu – Aquele ali ao balcão parece-me apetitoso.

- Portanto vai querer uma tosta mista? – Gozei.

- Exacto.

- Detesto acabar com isto – interrompeu Gwen, enquanto Gary e Derek se divertiam a ouvir – mas estou a ficar com fome. Eu quero a tosta mista – os irmãos Thompson riram-se de novo – Uma real.

- Eu já trago. E para beber?

- Uma Coca-Cola.

- Ok, dois segundos.

Fui tratar do pedido de Gwen e depois levei-o à mesa. Puxei uma cadeira e sentei-me também enquanto o café ainda estava meio vazio.

-Isso é que trabalhar, hã menina Simms – disse Derek, no gozo.

- E é! O meu trabalho e fazer os clientes felizes, tu és um cliente, estou-te a fazer feliz. Estou a fazer o meu trabalho – disse-lhe.

- Muito engraçadinha – chegou a cadeira para ao pé de mim e pôs o seu braço em cima da minha cadeira.

- Deus, nestes momentos odeio ser solteira – murmurou Verónica, ao que nós no rimos.

- Então Chloe, pronta para te juntares a nós? – Perguntou Gary. Era óbvio ao que se referia.

- Hum… acho que sim. Estou um bocado nervosa, mas acho que é normal…

- Não temos maneira de saber, não nos foi dado um aviso prévio – disse Verónica.

- Pois, e quanto a mim? – Perguntou Gwen – Como é que concordam que ela se transforme mas eu não?

- Tu podes esperar – disse Gary.

- Porquê? – Insistiu – É uma decisão minha!

- Gwen, ele vai-te transformar – disse eu –, basta dares-lhe tempo.

- Pois, tipo um século ou dois. Oh, espera! Não vou estar por aqui tanto tempo – disse-me ela, cheia de sarcasmo.

- A sério? Ontem não querias ser transformada, disseste que tinhas medo – disse Verónica.

- E tenho medo. E não quero ser agora, mas quando quiser ser, e quando for para ser, quero poder preparar-me mentalmente.

- Então para o que é que estamos a ter esta conversa? – Perguntei, totalmente à nora.

- Não sei… - suspirou Gwen.

- Já falaste com os teus irmãos? – Perguntou Derek.

- Não, vou falar hoje.

- E se não concordarem?

- Eu amo-te, e ficarei sempre contigo, mas se eles não concordarem… não me posso transformar sem saber que eles estão e acordo.

- Eles já concordaram uma vez – disse Gary – Isso foi o mais difícil.

- Eu sei, é por isso que acho que vai correr tudo bem – respondi.

Saímos do café todos juntos, eles esperaram que o meu turno acabasse, e depois Derek levou-me a casa. Despedimo-nos à porta e ele disse que à noite vinha cá ter.

Fechei a porta e vi Abby sentada no sofá. Fui ter com ela e dei-lhe um beijo na testa.

- O mano está no quarto? – Perguntei.

- Sim – disse-me.

- Ok, fica aqui, preciso de falar com vocês.

Subi as escadas e meti a minha mala no meu quarto, em seguida dirigi-me ao de Dylan. Bati à porta e entrei, ele estava sentado em frente ao computador.

- Podes descer por um bocadinho? Preciso de falar contigo e com a Abby – pedi.

- Claro, vamos.

Levantou-se e descemos os dois para o andar de baixo. Sentámo-nos os dois ao pé de Abby, que desligou a televisão para me prestar atenção.

- Vocês sabem o que planeio fazer quando o ano acabar – comecei.

- Sim – disse Dylan.

- Eu quero saber como é que estão com essa decisão.

- Como assim? – Perguntou a minha irmã.

- Bem, eu não planeio deixar-vos. Nunca. Mas talvez, durante um pequeno período de tempo, eu não possa estar com vocês assim… talvez não seja forte o suficiente para resistir à sede, e assim vou ter que me afastar um pouco – expliquei.

- Isso não vai acontecer – disse Abby.

- Pode acontecer – contrapôs Dylan – Mas nós apoiamos-te. Mereces fazer qualquer coisa para ti.

- Tornar-me vampira não é como comprar uma camisola Dylan – disse-lhe eu – É definitivo.

- Queres tornar-te vampira? – Perguntou-me ele.

- Sim mas… não me torno se vocês não concordarem.

- Então torna-te vampira – disse Abby – Nós não vamos a lado nenhum, e nem tu, a única grande diferença é que nunca mais vamos comer pizza juntos.

- Não exactamente – ri-me – Mas vocês concordam, é isso?

- Tudo o que te fizer feliz maninha – disse Dylan, abraçando-me em seguida. Abby também se ajeitou e juntou-se ao abraço.

9 comentários

Comentar post