Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Destino Amaldiçoado

por Andrusca ღ, em 14.03.11

Capítulo 39

A Batalha

 

- Alguém viu o meu vestido? Estava em cima da cama mas agora não está… eu preciso do vestido! – Dizia eu, enquanto procurava o meu vestido de noiva pela casa.

- Acalma-te! – Disse-me Claire. – O vestido está na minha casa, para o Luc não o ver, lembras-te?

- Ah, pois é, bem pensado… e os sapatos, o véu…

- Também lá estão, relaxa. Está na hora de jantares calmamente e de depois ires dormir, de acordo?

- Achas mesmo que vou conseguir dormir?! – Perguntei-lhe sarcasticamente.

- Se não conseguires nós pomos-te inconsciente boa? Ouve, tem calma, amanhã vai ser um grande dia e vai correr tudo bem, tenho a certeza que vai ser um dia que nunca mais vais esquecer…

- Eu não sei Claire, tenho um mau pressentimento acerca disto tudo, e se as coisas não correrem bem? 

- A isso chama-se nervosismo. É normal Jô, significa que queres que as coisas corram bem, todas as noivas o têm, não te preocupes, vai tudo correr lindamente.

-Certo, ok, vamos lá jantar…

Jantámos todos juntos, eu, Luc, Chad, Louis, Sheilla, Claire, Rick, Sue, Josh e os pequenos e tudo correu bem, excepto eu ter-me engasgado umas quantas vezes por causa do nervosismo e ter entornado dois copos de água pela mesa. Eles riam-se de mim por estar tão nervosa, mas nem eu sabia porque estava, apenas… sentia, sentia que as coisas não iam correr bem, mas talvez Claire tenha razão e sejam apenas nervos.

Depois do jantar Luc foi dormir para casa de Sue e Josh porque não me podia ver no dia do casamento antes de entrarmos na igreja. Eu subi para o quarto, vesti uma camisa de noite preta com rendinhas e preparei-me para dormir, quando batem à porta. Disse para entrarem.

- Lembrei-me de uma coisa Jô! – Disse Claire, que ainda lá estava. – Não te fizemos uma despedida de solteira!

- Pois não, com esta confusão toda esquecemo-nos completamente, mas queremos fazê-la. – Disse Sheilla, que vinha atrás.

- Não é preciso. – Disse eu, sentando-me encostada à cabeceira da cama. – Não preciso de uma despedida de solteira.

- Claro que precisas, por isso é que trouxemos uns filmes, pipocas e bebidas! – Disse Claire, sentando-se na cama ao meu lado. – A Sheilla trouxe a televisão pequena da cozinha e vamos pô-la aqui.

Elas estavam entusiasmadíssimas e apesar de não me apetecer passar a noite anterior ao dia do meu casamento toda a ver filmes, não as quis contrariar, quem sabe, talvez até me ajudaria com os nervos.

Vimos duas comédias românticas e um filme de terror até nos deixarmos de dormir.

 Acordei com um barulho muito suave e quando abri os olhos estavam pétalas de rosas a cair sobre a minha cama e um bilhete que me desejava boa sorte para o casamento, sorri imediatamente. Luc sabia mesmo como me fazer acalmar, quando queria conseguia ser mesmo romântico. Reparei que já eram nove e meia, tinha que estar na igreja ao meio-dia e comecei logo a entrar em pânico, acordei-as e fui tomar banho, quando voltei ao quarto, elas já tinham os vestidos de damas d’ honor vestidos, eram de alças, até aos pés e seguiam lisos até abaixo, e eram feitos de cetim lilás. Tinham o cabelo apanhado e uma flor prateada cada uma, no lado esquerdo da cabeça.

Maquilhei-me, penteei-me e por fim vesti o meu vestido, quando me olhei ao espelho fiquei sem reacção. Estava completamente linda, ainda melhor do que quando me fiz passar pelas princesas dos contos de fadas.

O meu vestido de noiva, branco, cai-cai, tinha umas pedras preciosas salteadas até à cintura e depois caía para baixo até aos pés, rodado. Calcei umas sandálias brancas de salto alto e de atar na perna porque estava calor demais para os sapatos fechados. Tinha optado por não usar um carrapito por isso prendi apenas o cabelo atrás com uma mola também comprada na loja das noivas, a combinar com o vestido, tinha deixado umas farripas de cabelo para a frente. A minha maquilhagem estava perfeita e pus uns brincos compridos, de diamantes.

Sue, que já lá tinha chegado, já com o seu vestido de dama d’ honor, chegou-se por trás de mim com o véu, pôs-mo na cabeça e um sorriso enorme veio-me aos lábios. O véu era muito bonito, transparente, com umas pedrinhas preciosas aqui e ali, mas não era comprido, era pela cintura, mais ou menos.

- Estás linda. – Disse-me Sheilla, com uma lágrima de emoção ao canto do olho. – Não consigo acreditar que o meu filho se vai casar.

Ri-me.

- Se te serve de consolo, nem eu. – Respondi.

- Vamos andando? A limusina já chegou. – Disse Claire. – Tem calma Jô, vai correr tudo lindamente, vais ver.

- Eu sei que vai.

Descemos as escadas e abrimos a porta da rua, a limusina cinzenta com uns enfeites brancos já lá estava à espera, entrámos e dirigimo-nos para a igreja. Com a confusão toda de manhã nem tive tempo para me lembrar dos nervos, mas assim que me sentei na limusina eles voltaram.

A limusina deixou-nos à porta e nós encaminhámo-nos para a sala onde a noiva espera para fazer a sua grandiosa entrada pela igreja. Espreitei pela porta e vi Chad, que era o padrinho de casamento do Luc, lá ao fundo, estava estranhamente arranjado. Para quem anda sempre vestido com calças de ganga e t-shirts deve ser uma tortura ter que usar um fato durante um dia inteiro. Luc não estava lá, devia estar na outra sala com Louis, Josh e Rick. Os convidados estavam a começar a sentar-se, estavam lá pessoas que nós tínhamos salvado no passado, estavam também amigos que tínhamos feito durante os últimos anos e claro, estavam outras pessoas que entravam apenas para ver os casamentos, nós não fizemos muita questão de as mandar embora porque não tínhamos muitas pessoas para encher a igreja. Fechei a porta e sentei-me num pequeno divã, a respirar fundo várias vezes. Claire, Sue e Sheilla estavam eufóricas.

Bateram à porta e Sue foi abrir. Entrou uma mulher que não me era nada estranha, de facto, até me lembrava muito bem dela, apesar de já ter sido há um tempo.

- E eu que pensava que tinhas dito que nunca te ias casar. – Disse-me ela.

Levantei-me e abracei-a.

- Não fazia parte dos meus planos, mas o que posso dizer? Tinhas razão, quando o amor é real, volta sempre. Além disso, obrigaste-me a pôr um vestido de noiva uma vez Shia, por isso não me culpes. – Brinquei.

- Boa sorte, tenho a certeza que vais ser muito feliz. – Disse-me ela, dando-me um beijinho na bochecha.

Shia Linc tinha sido a rapariga por quem eu me fizera passar no dia do casamento dela por causa de um demónio que a queria matar.

- Jô, está na hora. Estás pronta? – Perguntou-me

- Claro, deixa-me só agarrar o meu buquê… o meu buquê? Raios! Esqueci-me do buquê em cima da cama! – Exclamei eu, quase a entrar em colapso.

- Tem calma, eu vou lá buscá-lo. – Disse Sue, desaparecendo e aparecendo segundos depois com o meu buquê de rosas brancas e vermelhas na mão. – Aqui, toma.

- Obrigada. – Disse eu. – Ok, vamos lá a isto, desejem-me sorte.

- Não precisas de sorte. – Disse Claire, dando-me um abraço.

A música começou a soar e Claire e Sue abriram a porta, eu comecei a andar com as três irmãs atrás de mim. Vi Luc, estava deslumbrante naquele smoking preto, camisa branca e laço preto. Sorri para ele, que me retribuiu, os olhos dele brilhavam imenso e tenho a certeza que os meus também estavam no mesmo estado. Apesar de nunca ter pensado num casamento, esta ideia estava cada vez melhor, tirando a sensação de nervosismo na barriga, que piorava a cada passo que dava.

Cheguei ao pé dele e Sue, Claire e Sheilla passaram para o meu lado. Chad piscou-me o olho e eu sorri-lhe.

- Estás preparada? – Sussurrou-me Luc.

- Estou, mais que nunca.

- Óptimo, porque era uma pena deitar esse vestido fora.

Virámo-nos para o padre que começou a falar.

- Queridos irmãos, estamos aqui reunidos para testemunhar a união de Joanna Cronwell com Luc Connor…

Após um grande discurso que na minha opinião só serve para fazer sofrer os noivos e os convidados, chegou à parte realmente importante.

- Joanna, aceitas Luc como teu marido, prometes cuidar dele, apoiá-lo e amá-lo até que a morte vos separe? – Perguntou o padre.

Olhei para Luc e preparei-me para dizer o «sim» quando vi algo na janela, por trás dele. «Por favor, hoje não» vi a cara que me assombrava quase todos os dias, o demónio que me queria ver sofrer provavelmente com mais vontade que os outros todos juntos.

- Jô, está tudo bem? – Perguntou-me Luc, baixinho.

A minha cara tornou-se assombrosa, não prestei atenção a Luc, ao padre ou a qualquer outra pessoa que pudesse eventualmente estar a falar comigo, os meus olhos estavam centrados… em Jared, que do lado de fora da janela me sorria com uma cara maléfica e uns olhos cheios de sede por vingança. Vi-o fazer um gesto com a mão e vi Shia Linc a flutuar, ao seu lado. Olhei subitamente para o lugar em que ela deveria estar sentada mas que não estava. Voltei a olhar para a janela e ele começou a criar uma bola de fogo na sua mão livre, pronto a atirá-la a Shia. Olhei para Luc.

- Desculpa. – Pedi-lhe, sinceramente, enquanto mandei o buquê para o chão, puxei o véu para trás e comecei a correr para fora da igreja enquanto me começavam a querer correr lágrimas que já se estavam a mostrar difíceis de controlar.

Luc chamava por mim enquanto me afastava mas antes de sair pela porta voltei-me e olhei para ele.

- Ele está aqui. Não posso fazer isto assim, desculpa. – Disse-lhe, com uma lágrima a escorrer-me pela face.

Dirigi-me à parte de trás da igreja e vi Jared, a agarrar em Shia Linc.

- Bravo, acho que desta vez é que lhe partiste mesmo o coração Joannazita. – Disse-me ele com aquela voz seca e sem piedade.

Limpei as lágrimas e comecei a aproximar-me.

- Isto não tem nada a ver com ela, tem a ver comigo e contigo, com mais ninguém! – Disse-lhe.

- Mas estás enganada. Dá-me muito mais gozo ver as tuas tentativas patéticas para protegeres os outros às tuas custas do que se te matar logo. Deixa-me dizer que esse vestido te fica deslumbrante, não sabia que te ias vestir tão a preceito para me veres. – Disse, rindo-se.

- Ouve seu grande imbecil, tu vais largá-la e vais deixar-nos em paz ouviste?! Querias-me ver infeliz? Parabéns, conseguiste porque agora o Luc nunca mais me vai perdoar por o ter deixado na igreja! Estás feliz?! Podes-me deixar em paz agora?!

- Nem de perto. Tu mataste o meu irmão.

Aproximei-me mais dele.

- E voltava a matar. – Disse-lhe.

Com um gesto, tal como eu tenho que fazer com o meu poder de telicnese, mandou-me pelos ares. Aterrei no chão, magoando-me bastante. Ele estava assombrosamente mais poderoso desde a última vez que nos tínhamos encontrado.

- O quê? Achavas que desta vez vinha contra ti sem qualquer garantia de que sobrevivesse? – Perguntou ele, rindo-se. – Ridículo.

Ouvi passos, levantei-me e olhei para trás, os Connor estavam lá, especados a olhar para Jared e para mim, que me encontrava cheia de arranhões por causa do voo forçado que fiz. O meu vestido tinha-se rompido.

- Tu vais-te arrepender disto! – Ameaçou Luc, chegando-se ao pé de mim e puxando-me para ao pé deles. – Deixa a rapariga em paz.

- Ridículo! Ridículos, todos vocês. Acham mesmo que me vencem?! Deixem-me rir, eu já era bom, mas agora? Agora sou imbatível! – Disse Jared, fazendo um gesto com a mão que fez com a igreja explodisse, fazendo um grande estrondo e mandando-nos ao chão.

- Eu disse-vos! – Exclamou ele.

Rick, Claire e Sheilla estavam caídos no chão, eu, Chad, Luc, Louis, Josh e Sue levantámo-nos e olhámos para a igreja, em chamas. Louis correu para Sheilla e baixou a cabeça a chorar, Sue tentou curá-los mas era tarde demais, ninguém consegue curar os mortos.

- Bem-vindos ao novo mundo! – Disse Jared, explodindo outro edifício.

Louis lançou-se sobre ele e foi mandado contra Josh e Sue e foram os três explodidos.

- Não!!! – Gritou Chad, indo também contra ele.

O pânico instalara-se, as pessoas estavam a correr de um lado para o outro aos gritos, os bebés choravam imenso e as buzinas dos carros eram ensurdecedoras, Jared explodiu umas bocas de incêndios e a água começou a ir para todos os lados e de um momento para o outro só restávamos eu e Luc.

Rick, Claire, Sheilla, Louis, Josh, Sue e Chad… em poucos segundos tinha-os perdido a todos, não conseguia chorar, tudo o que me apetecia era desatar a partir tudo mas graças a Jared, já não sobrava nada para partir. Tentei explodir Jared mas como já estava à espera, não deu em nada, nem um arranhão lhe causou. Ia começar a correr até ele quando uma mão me agarrou.

- Não. – Implorou Luc. – Eu não te quero perder também.

- Que bonito, é por isto que eu nunca me vou apaixonar. – Disse Jared.

- Mesmo que te apaixonasses, tenho a certeza de que ninguém te ia conseguir aturar, ah, espera, é verdade, só há uma pessoa que te atura… ups, havia e bem, aturava… antes de eu o matar. – Disse-lhe eu.

A expressão dele tornou-se temível e horripilante, criou uma bola de fogo e mandou-a para mim, fechei os olhos, na esperança que se passasse tudo de uma maneira muito rápida mas nada aconteceu, ouvi um grito de dor e abri os olhos.

- Luc! Não!! – Gritei, desesperada.

Ele tinha-se posto à frente da bola de fogo para esta não me acertar e encontrava-se agora no chão, morto.

- Luc, não, não, não, não me podes deixar assim. – Dizia eu, ajoelhada ao seu lado, desesperada. – Luc, por favor.

- É o fim Joanna, estás num novo mundo, no meu mundo. – Disse Jared. – Agora vou-te deixar com o teu sofrimento mas nós voltaremos a encontrar-nos. Este é o dia que nunca esquecerás, tal como querias.

- Acredita que nos vamos voltar a ver. – Disse-lhe, com uma raiva patente na voz.

 

E agora, com todos os Connor mortos... que irá Joanna fazer?

14 comentários e descobrem amanhã ^^

21 comentários

Comentar post

Pág. 1/2