Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Together as One

por Andrusca ღ, em 18.03.11

Capítulo 2

E Tu És…

 

Ellie


Segui o meu caminho e demorei mais dez minutos a chegar à escola. Ao vê-la sorri, finalmente livre daquele colégio de freiras.

Entrei e perguntei a uma rapariga que lá estava onde era a secretaria, e ela disse-me apenas para seguir por um corredor e entrar na porta que dizia secretaria.

À medida que ia andando ia absorvendo todos os pormenores, adorava esta escola. Era grande e tinha umas cores alegres, mas que não se tornavam cansativas, e havia pessoas a rir e a falar em todo o lado.

Parecia ser um sítio alegre.

Quando cheguei à porta bati, e quando ia para a abrir ouvi o meu nome e voltei-me para trás, apenas para observar um senhor de meia-idade, com uns quilinhos a mais e pouco mais de meia dúzia de cabelos, que me sorria.

- Tu deves ser a Eleanor Davies – disse-me, esticando a mão para que a apertasse, que foi exactamente o que fiz – Eu sou o director, Sr. Bull.

- Olá, sim sou. Prazer em conhecê-lo.

Ele franziu o sobrolho perante a minha resposta, coisa que não percebi bem. Ele notou que tinha ficado confusa com esse seu gesto, e apressou-se a explicar-se.

- Desculpa-me, é que não estou habituado a que sejam todos tão… educados – disse-me, sorrindo de novo.

- Oh… não faz mal.

- Bem, anda comigo, eu tenho os teus papéis no meu gabinete, e assim podemos falar um bocadinho, pode ser?

- Mas eu tenho aulas daqui a nada.

Ele soltou uma gargalhada sonora.

- Não há problema, hoje são apresentações, descansa que chegas ainda à primeira aula. Segue-me. – Comecei a andar atrás dele – Uma adolescente preocupada com as aulas, hilariante – ouvi-o dizer, muito baixo.

Será que assim são assim todos tão despreocupados? É que dá a entender que sim.

 Segui o director até uma porta que dizia Escritório do Director, ele abriu-a e depois de eu entrar voltou a fechá-la. O seu escritório estava decorado à maneira antiga, parecia pertencer a alguém muito seguidor de regras e rígido, mas ele não me parecia nada assim.

- Por favor, senta-te – parece ter achado estranho eu não ter logo ocupado a cadeira que se encontrava à frente da sua secretária.

Eu sentei-me e ele sentou-se na sua cadeira, apoiando os cotovelos na secretária em seguida.

- Aqui queremos que sejas bem-vinda – disse-me –, por isso qualquer coisa que te perturbe, não te acanhes em vir contar-me, combinado?

- Não tem nada com que se preocupar Director. Acredito que me vou adaptar da melhor maneira a este instituto de ensino.

Ele ficou a olhar para mim com cara de parvo. Se calhar estava a exagerar na forma de falar, mas no colégio sempre me disseram para falar assim, e repreendiam-me quando não o fazia.

- Bem, seja como for, espero que gostes da tua estadia na minha escola – e sorriu-me – Dá para perceber que não és como o teu irmão, Michael.

Ui, ele sabia o nome do meu irmão. Sempre me disseram que quando os professores aprendiam os nossos nomes demasiado depressa era mau sinal, sinal de que nos portávamos mal ou só fazíamos parvoíces. Bem, isso é o sinónimo de Michael Davies.

- Sim, nós somos bastante diferentes – disse-lhe – Garanto-lhe Director, que não lhe vou dar problemas.

Ouvi o primeiro toque e ia-me levantar quando ele fez sinal para que permanecesse sentada. Mas ele não sabe que tenho para aulas para ir?

 

Danny


Não me apetecia ir logo para o tédio das aulas, por isso sentei-me num banco dos corredores já vazios. Que gente tão certinha, ao primeiro toque quase que se atropelam para chegar à sala de aula.

Deu o segundo toque e fiquei mais uns dez minutos sentado. Mas também sozinho não estava a fazer nada, que seca.

Lembrei-me do Verão que tinha passado demasiado rápido para o meu gosto. Tinha passado as férias na Europa, e conhecido miúdas boas. Não, não são boas miúdas, são mesmo miúdas boas. Sorri. Só de pensar em cada uma delas…

Não conseguia perceber como alguns dos meus colegas se apaixonavam, é completamente ridículo. Para quê ter uma se podemos ter dez?

Suspirei e levantei-me, o momento tinha passado, e o tédio regressado.

Agarrei no caderno e na caneta e comecei a andar pelo corredor sem fazer barulho, afinal, estava a passar no corredor do escritório do Director.

Ia a passar mesmo à frente quando senti uma bordoada e recuei um passo e olhei furioso para quem ma tinha dado.

- Tu outra vez?! – Ok, já era demais. Uma vez tudo bem, mas duas? Ela já está a pedi-las.

- Credo, desculpa lá… - disse-me – E tu és…

- Ninguém que te interesse.

- Tanto faz.

- Ei, ei, ei, o que é que se passa meninos? – Perfeito, o Director – Ah, é Daniel, certo?

- Danny – corrigi.

- Danny… bem Danny, não devias estar já nas aulas? – Estaria se não fossem tão secantes, pensei.

- Sim – respondi.

- Para alguém que já foi expulso de várias escolas não pareces estar muito empenhado em mudar de comportamento – ele agora parecia mais sério, fogo, que azar, odeio estes sermões – Vai para as aulas, e que seja a última vez.

- Sim general – refilei. – Obrigadinha oh rapariga que só sabe vir de contra a mim.

- Que lata! – Notou-se que se conteve a meio da frase e achei isso engraçado. Não parecia ser daquelas pessoas.

 

Ellie

 

Depois de quase quinze minutos a ouvir coisas que não me interessavam, o Director finalmente disse que podia ir para as aulas e que me ia levar, e quando ia a sair fui de encontra ao mesmo rapaz de há bocado. Mas é que é preciso ter sorte.

Ele começou logo a reclamar, mas que atrasado mental, como se eu tivesse feito de propósito! Odeio gente assim com mania.

Podia ser lindo de morrer, mas atitude de jeito não tinha nenhuma.

O Director olhou para mim quando me descuidei e disse Que lata!, mas sinceramente, era verdade.

Quando Danny se foi embora, o Director levou-me à sala e disse que me tinha atrasado pois estava com ele, para que não me fosse marcada falta.

 

Logo posto mais um pouco da one-shot para vos compensar o capítulo pequeninho...

20 comentários

Comentar post

Pág. 1/2