Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Together as One

por Andrusca ღ, em 22.03.11

Capítulo 7

Festa

 

Ellie


Finalmente a primeira semana estava a acabar. Não que não gostasse da escola, gostava sim, mas estava a demonstrar-se mais desgastante do que esperava. Enquanto que no colégio todos me diziam o que fazer e como me comportar, agora não tenho ninguém que o faça, apenas pessoas em casa que me apontam o dedo se não o fizer.

Ser a filha perfeita não é fácil, nunca ninguém disse que era, mas no entanto cada minuto que passava na escola me sentia mais livre, e por alguma razão sentia que era errado por várias razões. Os meus pais contavam comigo para gerir a empresa de advogados após o meu pai não se encontrar mais apto. Os professores contam que tire as melhores notas pois sempre tive uma educação bastante superior. E depois tenho o Michael que às vezes dá a entender que quer que eu esqueça tudo isto e aja como ele, que não se importa nem sabe o que quer ser do futuro. “Nem tu”, apareceu-me, no pensamento. Sim, é verdade, nem eu sei o que fazer do futuro. A verdade é que todos esperam qualquer coisa de mim, porém ninguém me pergunta o que anseio, o que eu espero de mim, de como quero que a minha vida seja. Eu não sou a filha perfeita, sou apenas uma boa interpretação de tal papel.

O meu telemóvel começou a tocar na mesa-de-cabeceira e apressei-me a atender. Era Alyssa.

- “Boa noite!” – Saudou, aparentemente feliz.

- Boa noite – e eu ri-me com a voz que me fez.

- “Vais à festa daqui a nada?” – Fiquei surpresa com esta pergunta. Já tinha ouvido falar da festa, porém não sabia onde era, nem quem a estava a dar. Mas a única coisa que sabia era que não podia ir.

- Não posso, desculpa.

- “O quê?! Mas vai ser tão giro, vá lá!”

- Não posso mesmo… - nisto ouvi a minha porta abrir e Jules apareceu, o jantar já estava pronto – Olha Alyssa, tenho que ir, vou jantar.

- “Mas pensa na festa” – Insistiu.

- Vou ver o que posso fazer.

- “Bom jantar. Depois telefona-me.”

- Está bem. Adeus.

Desliguei e desci com Jules, e enquanto me fui sentar no meu lugar na mesa, ela foi buscar o jantar.

Estava tudo muito silencioso, apenas se ouviam os talheres, e pouco depois o meu pai começou a falar dos negócios com a minha mãe.

Queria perguntar-lhes se podia à festa, porém já sabia que a resposta viria negativa. Mas também, se nunca tinha tido a oportunidade de ir a uma festa destas, eles deviam-me deixar viver esta experiência, certo?

- Há uma festa hoje… - comecei, fazendo com que todos na mesa olhassem para mim – e eu gostava de ir.

- Nem pensar – disse o meu pai. Tal como imaginara.

- Mas…

- Nem pense – cortou a minha mãe – Lá porque a deixámos sair do colégio não quer dizer que se possa comportar como uma desamparada, uma vulgar, uma…

- É só uma festa mãe – disse Michael, ele ia, ele ia sempre a estas coisas.

- Não interessa. A sua irmã fica em casa que fica muito bem – disse a dona Davies, já com a voz de “a conversa fica por aqui”.

Suspirei e continuámos o nosso jantar do ponto em que tínhamos parado.

Quando acabámos, subi para o quarto e telefonei a Alyssa a dizer que não ia mesmo poder ir, e depois sentei-me na cadeira da secretária a dar uma vista de olhos pelos cadernos, com música a dar baixinho no computador.

Eram quase onze horas quando bateram à porta, e sem esperar, entraram. Pelo comportamento nem precisei de ver para saber quem era.

- Pensava que estavas na festa – disse, para o meu irmão.

- Decidi esperar por ti – o meu coração palpitou ao ouvir isto e finalmente olhei para ele – Falei com os pais, despacha-te lá, temos uma festa para ir.

Os meus lábios abriram-se num enorme sorriso e saltei da cadeira para me agarrar ao pescoço do meu irmão e abraçá-lo. Sim, há vezes em que o odeio, mas também há aquelas raras em que tenho 99% de certezas que nenhum de nós é adoptado.

Dei-lhe um beijo na bochecha e abri o roupeiro a pensar no que vestir, mas depressa me apercebi que não fazia a mínima ideia do que usar.

- Michael… o que é que uso? – Perguntei-lhe.

Ele abanou a cabeça e revirou os olhos, e depois ajudou-me a escolher a roupa. Vesti-me na casa de banho, e apesar de não ter detestado o resultado final, também não me sentia eu. A saia era preta e algo acima do joelho, e a blusa tinha apenas um ombro e era azul-turquesa. Os All-Star eram da mesma cor. Deixei o meu cabelo solto e pus um brinco com uma pena azul na orelha esquerda, e várias pulseiras prateadas no pulso direito.

Maquilhei-me muito levemente, visto que não estava habituada a ver-me muito produzida.

Assim que saí da casa de banho, o meu irmão olhou para mim e sorriu.

- Uau, eu faço mesmo milagres – disse-me – Estás linda. De agora em diante eu vou escolher a roupa para o dia-a-dia.

- Ahah, nem sonhes Michael, eu só uso roupas curtas uma vez por ano.

Ele abanou a cabeça e enquanto eu arrumava o telemóvel, chaves de casa e o gloss numa pequena mala preta, foi buscar as suas coisas ao seu quarto.

Descemos as escadas e surpreendi-me ao ver já as luzes todas apagadas, os meus pais nunca se deitavam antes da meia-noite.

- Os pais já foram dormir? – Perguntei.

- Já, doía a cabeça à mãe e o pai estava cansado do trabalho – respondeu o meu irmão.

- Está bem. Vamos?

- Depois de ti – ele abriu a porta e esperou que eu passasse para em seguida a fechar.

Dirigimo-nos até ao seu carro e eu sentei-me ao seu lado, no lado do pendura.

- Onde é a festa? – Perguntei.

- Descobres quando lá chegares – ele olhou para mim e piscou o olho.

24 comentários

Comentar post

Pág. 1/3