Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Together as One

por Andrusca ღ, em 28.03.11

Capítulo 16

Culpa

 

Ellie

 

Fui meio que arrastada para a casa de banho, e nem o banho de água fria me acordou bem. Tinha passado a noite completamente em branco, não me lembro de ter dormido nem uma hora. Sinceramente não sei o que aconteceu, primeiro não tinha sono, depois apesar de o ter não conseguia adormecer, depois a dor de cabeça atacou mas nem assim o sono conseguiu vencer a minha insónia. Isto não me costumava acontecer, talvez fosse o stress por andar em altura de testes.

- Por falar em testes, tenho que me despachar – murmurei, enquanto revia a matéria de Literatura na minha mente.

Depois de me vestir fui ao meu guarda-jóias, hoje apetecia-me levar um colar qualquer, e vi lá um que há muito que não usava. Sorri ao vê-lo, trazia-me boas recordações. Agarrei no fino fio de prata, com um pequeno medalhão numa forma oval e abri-o, deixando à vista uma fotografia minha, quando era mais pequena, ao colo da minha avó.

Tinha saudades dela, ela era a única pessoa que me conhecia realmente, a única que sabia distinguir quando me ria com vontade ou apenas para agradar. Era mais que minha avó, mais que minha mãe. Era a única pessoa que me compreendia verdadeiramente. E lembro-me perfeitamente do quanto chorei quando, naquele dia de Inverno há dois anos, os meus pais foram ao colégio dizer que ela tinha morrido, e entregar-me este medalhão, que ela fizera questão no testamento de deixar para mim.

Respirei fundo e pus o colar ao pescoço, tinha saudades dela, e isto era o mais próximo que dava para estar com ela.

Desci as escadas e tomei o pequeno-almoço calmamente. Michael já tinha ido para a escola, estranho, ele nunca se levanta antes de mim… por isso tive que ir a pé.

Caminhei lentamente, ainda era cedo. Eu gostava de poder usufruir destes momentos de paz e sossego em que estava sozinha.

Quando cheguei à escola, ia a passar no corredor para ir para ao pé da minha sala de Literatura quando embati num rapaz. Revirei os olhos ao ver quem era.

- Porque é que nos estamos sempre a encontrar assim? – Perguntei, com sarcasmo.

Danny riu-se e desviou-se, deixando-me ver Michael atrás dele, que se apressou a pôr-se ao lado.

- Bom-dia para ti também – disse Danny.

- É o colar da avó? – Perguntou Michael, apontando para o colar.

- Sim – respondi, sorrindo. Nisto ouvi o toque de entrada – Tenho que ir, vou ter teste, até logo.

Apressei o passo até à sala e sentei-me no meu lugar. Sabia a matéria toda, estava preparada, agora era só esperar que corresse bem.

 

Danny

 

No caminho para a sala dele, Michael contou-me a história do colar que Ellie trazia. Pelo que percebi ela gostava mesmo muito da avó, e aquele colar era a única coisa que tinha dela. E mais que isso, era algo simbólico.

Entrei na sala a pensar no raspanete que Boogy nos tinha dado, a mim e a Michael, por não termos participado no gamanço de ontem. Fogo, o gajo também só avisa as coisas à última hora! Agora veio com tretas em como não estamos comprometidos com as cenas e tal e que tínhamos que voltar ao jogo. Também era só o que me faltava, ele a desconfiar que eu já não estava apto para os gamanços. Claro que estava! Só tenho é andado um pouco mais distraído, só isso…

Sentei-me numa das mesas de trás enquanto a chata da professora falava sobre qualquer facto importante da História. Bah, que seca.

Quando tocou, finalmente pude sorrir, finalmente livre do passado. Detestava História.

 

Ellie

 

Depois de fazer o teste – que melhor não podia ter corrido –, as aulas passaram depressa, mas tive que ficar a fazer um trabalho de grupo com a Rachel e o Trent na escola, depois de elas acabarem. Liguei para casa a avisar que ia chegar mais tarde, e a Michael a dizer que não ia de boleia com ele.

O trabalho até foi rápido de fazer, o pior foi termos as ideias para o começar. Quando nos despachámos eram quase oito da noite, a escola estava mesmo prestes a fechar, e o sol já se tinha posto.

- Tens a certeza que não queres que te leve a casa? – Perguntou Trent – É que não custa nada.

- Deixa estar – Respondi – Vocês moram os dois perto um do outro, vão lá.

Eles lá foram no carro de Trent e eu segui sozinha, a pé, enquanto o vento me puxava os cabelos para trás.

Estava a passar pelo parque completamente deserto quando tive um mau pressentimento. Medo. Olhei em volta, nada. Estava a ficar paranóica. Até que…

- Pára! – Ouvi. Foi-me difícil perceber o que dizia, a voz não era natural, era algo forçado. Vinha de trás de mim, e estava prestes a virar-me quando ouvi um estalo. Sabia o que era, tinham acabado de accionar uma pistola. O pânico tomou controlo de todo o meu corpo, mas mesmo assim ia-me virar – Não te vires! – Porém parei por completo ao ouvi-lo.

Estava a ser assaltada. E tinha quase a certeza que era o mesmo grupo que andava a fazer os outros assaltos. Engoli em seco, ainda não havia notícia nenhuma de que tivessem morto alguém, mas e se me matassem a mim?!

Estava sozinha num parque, praticamente de noite, a morrer de medo e com uma arma apontada a mim.

- Dá-me o telemóvel e o dinheiro – houve uma pequena pausa – e o colar.

Vieram-me as lágrimas aos olhos. Não o colar. Era a última coisa que me restava dela.

- Pousa as coisas no chão e vai – ordenou.

Engoli em seco enquanto uma lágrima me escorria pela bochecha, ao tirar o bem mais precioso da minha avó do pescoço, e ao pousá-lo no chão juntamente com o dinheiro e o telemóvel.

- Vai – mandou –, e não olhes para trás.

Funguei e limpei as lágrimas com a manga da camisola, enquanto caminhava apressadamente para a saída do parque. Não ia olhar para trás, não ia olhar para trás, não ia olhar para trás…

 

Danny

 

Ia na minha mota a passar ao pé do parque quando vi o Boogy com o Shane, que me fizeram sinal para ir ter com eles. Estacionei e apressei o passo, pareciam impacientes, estavam escondidos atrás de uns arbustos.

- Que se passa? – Perguntei.

- Queres provar que estás mesmo empenhado? – Perguntou Boogy.

- Claro, porquê?

- Olha ali – Disse Shane, apontando – Assalta-a a ela.

Estagnei ao ver quem era. Não, não ela, não podia assaltá-la a ela.

- Mas é a irmã do Michael – disse-lhes –, não posso.

- É irmã dele, não tua – Boogy passou-me uma pistola para as mãos – Está nas tuas mãos, estás connosco, ou estás fora?

Não podia ser, podiam ter escolhido qualquer pessoa, menos Ellie.

Respirei fundo e pus o capucho que Shane me deu, apertei a pistola e caminhei até atrás dela. Shane vinha ao meu lado, talvez dois passos atrás.

- Pára! – Ordenei, a tentar ao máximo mudar a minha voz, o que criou uma completamente distorcida. Accionei a pistola, como Shane me dissera. Agora já cá estávamos, se eu não o fizesse, ele fá-lo-ia. E seria mil vezes pior para ela – Não te vires! – Ela ia-se virar, não podia, não podia saber que era eu, nunca me perdoaria. Podia-me reconhecer pelas roupas, pelo estilo, pelos olhos… felizmente obedeceu-me.

Engoli em seco, toda ela tremia, estava com medo. Com medo de mim. Pela primeira vez desde que me tinha metido nos assaltos, senti-me como um verdadeiro monstro.

- Dá-me o telemóvel e o dinheiro – Mandei, com a voz firme, apesar de não me sentir nada assim. “E o colar”, sussurrou-me Shane. O colar… o colar da avó… fechei os olhos, isto ia-lhe custar tanto – e o colar. Pousa as coisas no chão e vai.

Ela retirou o colar lentamente e deu-me um aperto no coração. Como é que lhe podia estar a fazer isto? Logo a ela?

- Vai – mandei –, e não olhes para trás.

Ela assim o fez. Quando saiu do meu campo de vista agarrei as coisas e olhei para Shane e Boogy – já ao pé de nós. Estavam ambos radiantes, mas a mim só me apetecia esconder-me. Sentia-me mal. Sentia-me um monstro. Sentia-me culpado pela sua dor.

 

Ellie

 

Cheguei a casa ainda com as lágrimas nos olhos, e logo de imediato a minha mãe perguntou-me o que se tinha passado, seguindo-se do meu pai e de Jules. Apenas o meu irmão ficou calado enquanto eu contava o que tinha acontecido. Apesar de estar transtornada, consegui perceber que ele ficou estranho, tenso… mas não me sentia em condições de perguntar porquê. Sentia-me mal, mal por ter perdido a única coisa que a minha avó me tinha deixado entregue.

 

Danny

 

Cheguei a casa e fechei a porta com toda a força que tinha, dando um grito enorme. Alice perguntou-me o que se tinha passado, mas não lhe liguei e subi para o quarto, só queria desaparecer, partir tudo à minha volta. Morrer.

Sentei-me na cama e abri o medalhão do colar dela. Consegui formular um reduzido sorriso, ela era linda quando era mais nova, continuava praticamente igual, só que na fotografia tinha o cabelo maior e dois grandes totós.

Não jantei e passei a noite em claro, sabia que ela provavelmente também o estava a fazer, apesar de as razões não serem as mesmas.

Sabia que por esta altura Michael já sabia do assalto, e se ainda não tinha falado com Boogy foi por falta de oportunidade, mas sabia que não ia tardar. Ele ia-me matar quando soubesse que lhe assaltei a irmã! Não sei o que é que ele acharia pior: beijá-la ou roubá-la.

Tinha que fazer qualquer coisa, não a podia deixar assim sem as suas coisas.

 

Ellie

 

Mais um dia de escola.

Cheguei completamente de rastos, e vi as horas no meu telemóvel novo – sim, eu já tinha outro, os meus pais deram-me logo dinheiro para o ir comprar, embora não fosse do telemóvel que sentia falta.

Ainda era cedo, faltavam quinze minutos para as aulas começarem.

Fui até ao meu cacifo pôr os livros e quando lá cheguei vi que tinha uma folha a sair. Puxei-a e pude ler um simples “Desculpa”, com todas as letras maiúsculas. Ao retirá-lo notei que algo arrastou lá dentro. Abri o cacifo e uma lágrima escorreu-me pelo rosto. Estava lá. O medalhão estava lá.

Peguei nele e pu-lo ao pescoço, olhando em volta em seguida. Só depois percebi que o ladrão pertencia à escola. Engoli em seco, não sei se por medo. Mas ao menos tinha-me devolvido o medalhão… só depois reparei que o meu telemóvel e o dinheiro também lá estavam. Mas que ladrão rouba apenas para devolver no dia seguinte? Não interessava, o importante era que tinha as minhas coisas de volta. Surpreendentemente, nem o facto de me terem aberto o cacifo me preocupou, tinha o colar da minha avó de volta, era tudo o que queria.

 

Então que acharam? :s

Mais logo posto sneak peak, mas hoje já não posto mais capítulo nenhum, sorry

19 comentários

Comentar post

Pág. 2/2