Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Love Between Changes

por Andrusca ღ, em 13.04.11

Capítulo 11

Últimos Arranjos

 

À medida que ia chegando ao pé deles, ia vislumbrando melhor as vestimentas que usavam.

Lucy estava um vestido um pouco abaixo do joelho, com alguns folhos, cor-de-rosa muito claro, e tinha o cabelo preso numa trança. Kristen estava com um vestido até aos pés, justo e preto, que realçava bem as suas curvas de sereia e usava uns sapatos de plataforma dourados, a combinar com o colar e as pulseiras que também tinha.

Amy estava deslumbrante; a melhor das três posso até afirmar dizer. Envergava um vestido verde musgo, com várias nuances, umas mais claras e outras mais escuras, com um grande decote e apenas uma manga que era de cava. O vestido caía-lhe naturalmente até aos pés, onde calçava uns sapatos também de plataforma, porém pretos. Tinha um comprido colar de ouro, e várias pulseiras lhe assentavam no pulso direito. A maquilhagem estava perfeita, e no seu carrapito não havia um único cabelo fora do lugar.

Quanto aos rapazes, era difícil decidir qual ia melhor, pois estavam bastante parecidos. Todos eles usavam calças de ganga e camisas, apenas as cores variavam. O mais aperaltado era sem dúvida o Collin, que usava por cima da camisa um colete preto, que combinado com as calças de ganga escura lhe ficava lindamente. “Credo, odeia-lo, odeia-lo, mas que ele se sabe vestir tens que admitir”, disse-me o meu estúpido cérebro. John e Duke pareciam gémeos, as camisas até tinham o mesmo tom e tudo. Kevin tinha uma camisa azul clarinha e foi o primeiro a cumprimentar-me, dando-me um beijo na bochecha.

- Estás linda – disse-me, sorrindo-me. Retribuí-lhe o sorriso.

- Tu também – afirmei. E era verdade.  

- Olá – ouvi, vindo de trás de mim. Ele. Não tinha reparado que ele ainda não estava junto do resto do grupo –, desculpem o atraso.

Voltei-me para trás e fiquei completamente embasbacada a olhar para ele. Trazia umas calças pretas e uma camisa branca, com os dois botões de cima desabotoados, e uns ténis All-Star também pretos. Não se parecia nada com alguém que fosse para uma festa, até porque tinha o seu cabelo negro cheio de gel e de forma selvagem, mas ao mesmo tempo estava perfeito.

- Olá querido – disse Amy, dando-me um encontrão para se “atirar” a ele. E pronto, vai começar…

Mas para minha grande surpresa ele não a deixou chegar-lhe aos lábios e sorriu-me gentilmente, acenando-me com a cabeça, e foi cumprimentar os rapazes, largando-se das garras da minha ex melhor amiga que ficou estática a olhar para ele de boca aberta.

- É melhor fechares a boca querida – disse eu, com um tom de gozo –, olha que pode entrar uma mosca.

Ela ainda ficou pior e eu simplesmente virei costas, dirigindo a minha atenção à conversa dos rapazes.

- Vamos entrar? – Perguntou Collin.

- Bora – disse Kevin.

- Esperem – pedi, olhando para Logan em seguida – Onde está a Jenny? Ela disse-me que vinha aqui ter connosco.

- Ela não vem ao baile – respondeu –, disse que não lhe apetecia.

Tretas, não queria era ser gozada. Olhei para Amy e em seguida para Lucy e Kristen, e imaginei-me como estaria, como se me visse ao espelho. Eu conseguia fazer melhor… conseguia fazer com que nunca mais dissessem uma piada em respeito a Jenny.

- Vão entrando vocês – pedi – Logan, tu vens comigo.

Sem dar azo a mais conversas peguei na mão de Logan e comecei a puxá-lo até ao meu carro, a correr, o que se revelou uma tarefa difícil por causa dos saltos.

- Ei, tem lá calma! – Disse ele, parando junto ao meu carro – Onde é que vamos?

- Primeiro à minha casa; depois à tua. Vamos fazer da Jenny a rapariga mais perfeita daquele baile. Entra no carro.

- Estás maluca? Por acaso já começaste a beber?!

- Logan! Entra na porra do carro já!

Ele obedeceu. Tenho que gritar com ele mais vezes… parece resultar…

- E para que é que precisas de mim, mesmo? – Perguntou-me. Encostei o carro à berma da estrada e folguei um bocado o cinto para me poder virar para ele sem problemas.

- Eis o que eu acho que se passa, Logan – olhei-o com cuidado e observei a sua expressão, que parecia dar-me permissão para continuar – Tu vens daquela aldeia… não sabias como eram as coisas aqui… e quando descobriste o que podia fazer, as regalias que tinhas, ao seres popular, deixaste-te deslumbrar. – Encolhi os ombros – Mas tudo bem, também aconteceu comigo. O que eu quero saber é se o Logan que eu conheci desapareceu por completo, ou se ainda resta algo dele.

- Porque é que continuas a falar como se eu tivesse mudado assim tanto?!

- E não mudaste?! Sabes o que eles dizem da tua irmã?! O quão forte a tua “namorada” Amy goza com ela e se ri?! Sabes o quanto a tua irmã se sente mal com isso?!

- A Amy não é minha namorada!

- Eu sei – notei que não estava à espera da minha resposta –, foi por isso que te trouxe comigo. – Respirei fundo e recompus-me para retomar a fala com uma voz calma – Olha, tu podes ter uma cambada de defeitos, e acredita que tens, mas a tua irmã ama-te. Apesar de tudo, ela confia em ti Logan. Mas está magoada.

- Tu também estás?

E assim tão simplesmente, apenas com três simples palavras a formarem uma pergunta tão normal, “Tu também estás?”, senti que o tinha de volta. E pela primeira vez pude jurar ver arrependimento nos seus olhos, juntamente com mágoa.

- Isso importa? – Perguntei, baixo, por a voz não sair mais alto.

- Mais do que imaginas. Daphne eu sei que…

- Pára – não podia ouvir. Não agora. Fechei os olhos com força e respirei fundo. Ele não podia dizer que lamentava, ou que não me queria magoar, porque então eu veria nos seus olhos que estava a ser sincero. E até aqui tudo bem. Mas depois, amanhã, ele mudaria de novo. Voltaria a ficar frio, voltaria a ser um “Collin” em transformação. E eu não me podia dar ao luxo de me deixar magoar desta maneira; de deixar que ele chegasse tão perto de mim apenas para me partir o coração aos pedacinhos e pisá-los logo em seguida.

- Mas Daph, eu…

- Eu sei – disse-lhe – Logan, eu sei – abri os olhos e encontrei os seus, verdes e reluzentes, mais perto dos meus do que estavam quando os fechei. Mordi o lábio – Mas até quanto? Tu sentes isso agora, mas amanhã será diferente. E talvez agora estejas convencido de que não vais fazer nada de mal no futuro, mas acredita em mim quando te digo que vais. Já estive nesse lugar.

- Mas…

- Vamos apenas buscar a tua irmã, ok? Se a queres compensar do atrasado mental que tens sido, ajuda-me a convencê-la a ir a este baile.

- Está bem.

“Está bem?”, Uau, isto foi mais fácil do que pensei…

Conduzi até minha casa e entrámos os dois, ele ficou à porta do quarto enquanto eu remexia no roupeiro à procura do dito vestido que queria que Jenny usasse. Quando finalmente o encontrei, sorri. Ela ia ficar linda nele.

- É esse? – Perguntou Logan, ao que eu assenti com a cabeça – É bonito.

- Obrigada.

- Porque é que não o usaste tu?

- Eu… - encolhi os ombros – eu comprei-o para uma ocasião, o meu quarto mês de namoro com o Collin – credo, só de me lembrar até fico enjoada –, mas depois descobri aquilo entre ele e a Amy e acabei por nunca o usar. Acho que me trás más memórias… mas é bonito demais para ser desperdiçado.

Voltámos para o carro e conduzi em seguida para a casa dele. Assim que levou a chave à porta e a abriu, a sua mãe veio espreitar. Sorri, gostava de ter também a minha mãe à minha espera em casa…

- Meninos, ainda aqui? – Perguntou, surpreendida – Daphne, estás tão bonita! Uma mulher autêntica! Dá-me cá um beijinho.

Dei-lhe um beijinho e ela voltou a sorrir-me.

- Obrigada… Dianne – disse-lhe – A Jenny está no quarto?

- Sim, teimou que não queria ir ao baile, achas normal? – Ai o quanto eu adorava a Dianne…

- Nós vamos tratar disso mãe – disse-lhe Logan.

Subimos as escadas e bati à porta antes de entrar. Jenny estava deitada na cama, a ler um livro que mais parecia um tijolo gigante, e olhou para nós e revirou os olhos.

- Estás linda Daphne, mas eu não vou – disse-me logo.

Mordi o lábio e aproximei-me. Sentei-me na cama e estendi o vestido que tinha para ela, ao meu lado.

- Que achas dele? – Perguntei, referindo-me ao vestido.

- É bonito… - disse-me, fechando o livro e olhando decentemente para mim – Mas eu não quero ir, a sério, tu não compreendes…

- Jenny… - toquei-lhe na mão – ninguém vai gozar contigo. É uma promessa. Quando estiveres pronta, vais parecer uma rainha. Juro.

- Mas eu…

- Anda lá mana – disse Logan, aproximando-se. Finalmente decidiu fazer alguma coisa, estava a ver que não –, vai ser divertido.

- Eu não sei…

- Fazemos assim: vestes o vestido, deixas-me pentear-te e maquilhar-te, e no fim decides de vais ou não, pode ser?

- Mas o vestido é teu e…

- Nunca o usei; está como novo. Agora é teu. E além disso eu nunca o iria usar, não achas que merece uma noite fora do armário?

- Está bem…

Sorri triunfante. Logan saiu do quarto e em seguida fui para a casa de banho com Jenny. Agora… o que é que lhe vou fazer ao cabelo?

Decidi fazer-lhe um apanhado atrás, um carrapito com caracóis, deixando poucas mechas soltas para darem um último efeito. A maquilhagem ficou levezinha, e depois dei-lhe um par de brincos compridos.

Em seguida vestiu o vestido. Era azul e cai-cai, e nela assentava melhor que a um anjo. Estava simplesmente lindíssima. Para finalizar calçou umas sandálias pretas, com um salto não muito grande.

Quando se olhou ao espelho respirou fundo e depois sorriu.

- Daphne eu estou…

- Maravilhosa – completei.

- O meu cabelo e o vestido, eu… obrigada!

- Então vamos para o baile?

- Eu…

- Estás perfeita. Vamos?

Sorriu-me.

- Vamos.

Ao descermos as escadas Logan ficou de boca aberta a olhar para a irmã. Ela estava deslumbrante, melhor que Lucy e Kristen, melhor que Amy… melhor que eu. Também Dianne ficou surpreendida ao ver a filha tão arranjada, e por poucos segundos pensei que se fosse emocionar e começar aqui a chorar, mas conteve-se.

Voltámos para o meu carro e comecei a conduzir em direcção ao baile, desta vez de vez.

 

(hiperligação na antepenúltima fala da Jenny do cabelo e do vestido)

Espero que tenham gostado ^^

32 comentários

Comentar post

Pág. 1/4