Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Love Between Changes

por Andrusca ღ, em 15.04.11

Capítulo 15

A Descoberta

 

-… E é assim que o filme acaba. Acaba por chatear um bocado, quer dizer, eu queria saber se os protagonistas viviam ou não, mas pronto… Daph, estás-me a ouvir?

- Sim, claro… estávamos a falar de um filme – respondi, apesar de não ter a certeza absoluta. Ele sorriu e continuou a falar, enquanto eu me perdi em pensamentos.

Eu tinha que lhe perguntar, tinha que saber… mas se a resposta fosse afirmativa então as coisas iam mudar, e eu não queria que mudassem, queria? Quer dizer, além da Jenny, o Kevin é o meu único amigo verdadeiro, aquele a quem já contei tanta coisa, que sabe tantas ou mais coisas ainda sobre mim que eu própria. Como é que ele pode gostar de mim assim? Não pode. Não devia.

Mas depois se não perguntasse, cada vez que me abraçava, ou que me dava um beijo na bochecha, ou que se chegava mais a mim, ia ser invadida por estas perguntas. E eventualmente ele ia notar que eu estava diferente, ele nota sempre…

Respirei fundo. Já se tinham passado quase duas semanas, daqui a nada estávamos de férias e eu ainda não lhe tinha perguntado nada. Tinha que perguntar, já se passara demasiado tempo, não podia ser cobarde.

Olhei para ele… ia ser agora, ia conseguir, ia finalmente perguntar. Ele continuava a falar sobre qualquer coisa, mas não importava. Eu tinha que saber… mas por outro lado, se não dissesse nada talvez aquilo passasse sozinho… “não Daph, não inventes”, reclamei, comigo própria.

- Estás apaixonado por mim? – Perguntei, muito depressa, alto o suficiente para ele ouvir, e calando-me logo em seguida.

- O quê? – Perguntou.

Engoli em seco. Vi que tinha sido apanhado desprevenido.

- Estás? Apaixonado por mim? – Repeti.

Ele sentou-se no banco de madeira por que passávamos e eu imitei-lhe o gesto, ficando por poucos segundos apenas a observar as árvores do parque. Segundos esses que pareceram horas, horas inteiras a fio sem obter uma resposta.

- Porque é que perguntas? – Arrisquei-me a olhar para ele, estava a olhar para frente, porém não parecia ver nada. Tinha os olhos fixos, mirava o vazio.

- Não respondeste à minha pergunta – insisti. Ele não me podia desviar da pergunta inicial, estive duas semanas a arranjar coragem para a fazer.

- Desde o primeiro dia em que te vi.

O mundo parou neste preciso momento. Por momentos pensei que fosse desmaiar, mas não, lá me aguentei. Vi que agora estava a olhar para mim, mas eu forcei-me a desviar o olhar e fixá-lo numa das palmeiras.

Não acredito nisto, de todas as mentiras que a parva da Amy diz, esta tinha logo que ser verdade. Que raiva.

- Porque é que não me disseste? – Perguntei.

- Porque começaste a namorar com o Collin… e depois quando acabaram as coisas estavam tão bem entre nós que tive medo que se contasse te fosses afastar…

Engoli em seco. Essa mesma ideia tinha-me aparecido na cabeça ontem à noite, mas não o poderia fazer. Não ia conseguir afastar-me de Kevin. Ele era o meu melhor amigo e eu adorava-o.

- Kevin eu… - quando voltei a olhar para ele a sua cara estava demasiado perto da minha, mas eu não me consegui mexer. Era como se estivesse paralisada e o tempo tivesse parado. Queria mexer-me, queria desviar-me um pouco dele, ou até desviar os meus olhos dos dele, que me fitavam de uma maneira que nunca antes tinha visto. Mas não conseguia. Os meus músculos não obedeciam às ordens directas que o meu cérebro lhes mandava. Era como se tivessem vontade própria.

- A verdade é que… - disse ele, aproximando-se ainda mais de mim, enquanto eu via o meu reflexo nos seus olhos ficar maior a cada segundo que passava – eu te amo.

Engoli em seco, mas antes que desse outra oportunidade aos meus músculos para se “descongelarem” e começarem de novo a funcionar, já tinha os seus lábios sobre os meus. Ao princípio tentei resistir ao seu beijo, mas depois deixei-me levar, coisa que não era nada difícil… o Kevin beija excelentemente.

Quando ele acabou com o beijo, ficou com a testa junta à minha e a olhar-me e pude ver um sorriso enorme e maravilhoso formar-se nos seus lábios, outrora juntos aos meus.

Não conseguia distinguir o que estava a sentir, era mais fácil agora decifrar os seus sentimentos que os meus. Estava confusa, isto, que acabou de acontecer, ainda tinha posto a minha cabeça a rodar ainda mais. Ela andava à volta… e à volta… e à volta… e não dava índices de querer parar.

- Estou feliz por teres descoberto – pronunciou, sorrindo de novo em seguida.

Aqueles olhos… aquele sorriso… não me consigo lembrar da última vez que o vi tão feliz… não podia acabar com aquela felicidade, seria um monstro.

- Eu também – menti. Quer dizer, não foi bem uma mentira, visto que qualquer resposta que pudesse dar iria estar errada. Não sabia o que sentia, era um facto. – Kevin está a ficar tarde…

- Sim, claro. Eu levo-te a casa.

Desviou-se de mim e levantou-se, eu sorri-lhe e também me levantei, começando a caminhar ao seu lado.

O caminho até à minha casa não demorou, o parque ficava relativamente próximo, e por incrível que pareça não senti aquela sensação de desconforto por nos termos beijado. Era o meu melhor amigo e na nossa relação não havia espaço para constrangimentos.

Deixou-me à porta e para a despedida deu-me um beijo leve nos lábios, dirigiu-me um sorriso e depois começou a caminhar.

Entrei na casa e ao passar pelo hall para ir para o quarto vi que a minha mãe estava na sala. Fui até lá.

- Já estás em casa? – Pergunta desnecessária, eu sei – Aconteceu alguma coisa?

- Não querida, só me esqueci de uns papéis. Ah, cá estão eles! – Passou por mim, deu-me um beijo na cabeça e dirigiu-se à saída – Não sei se venho jantar. Adoro-te.

- Também te adoro – típico.

Subi as escadas e fechei-me no quarto, sentando-me na cama em seguida.

Ok, o que é que tinha acontecido esta tarde?! Desde quando é que decidi que estava tudo bem em deixar Kevin beijar-me daquela maneira?! Talvez desde o momento em que vi a felicidade que lhe trazia… mas mesmo assim…

Abri a minha mesa-de-cabeceira e tirei de lá a última fotografia que tinha tirado com Logan, na última vez que tínhamos passado a Passagem de Ano juntos… ele está-me a dar um beijo na bochecha e eu estava com uma cara tão parva… resumindo: a fotografia estava cómica. Dei por mim a sorrir levemente ao lembrar-me desse dia… tinha sido tão perfeito… mas tinha acabado.

Voltei a guardar a fotografia e deixei-me cair para trás, ficando deitada a mirar o tecto branco. Com Logan nunca terei nada… ele não é para mim, tudo o que sabe fazer é dar-me falsas esperanças e depois deixar-me cair de novo.

Mas não era isso mesmo que estava a fazer a Kevin? A dar-lhe falsas esperanças?

Não. Não exactamente. Se não posso ser feliz com quem quero, então tenho que arranjar outra maneira de o ser, certo? E quem sabe, talvez venha a gostar mais de Kevin do que gosto agora… não é nada do outro mundo, é bem possível.

 

Hi people ^^

Tenho duas coisas para vos dizer e outras duas para perguntar.

1º Hoje já não vão haver mais posts, eu vou sair à noite e quando chegar não sei se venho ao pc

2º Como não vou estar em casa não vou fazer o capítulo, logo vou fazê-lo amanhã, logo não sei a que horas posto

3º Estavam à espera da reacção da Daph? Que acharam?

4º Já vi que opiniões andam muito variadas, por isso tenho uma pergunta: São Team Logan ou Kevin?

34 comentários

Comentar post

Pág. 1/3