Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Love Between Changes

por Andrusca ღ, em 17.04.11

Capítulo 18

Alguém Que Não Amas

 

Espreguicei-me uma última vez. Adeus férias, olá primeiro dia do segundo período. Hoje ia ser um longo dia…

Levantei-me da cama e arrastei-me até à casa de banho, onde tomei um bom banho de água quentinha. Vesti o meu robe e escolhi que roupa ia vestir. A partir de hoje uma nova etapa ia começar. Ia-lhe chamar Vida sem Logan. Sim, eu sei que tenho que o ver todos os dias… mas já vi que aquilo do longe da vista longe do coração não funciona, logo nada me garante que não o esqueça mesmo vendo-o a cada cinco minutos, certo?

Optei por umas calças de ganga justas e uma blusa cor-de-rosa clara, com um cinto castanho largo e umas botas de salto da mesma cor. Enxuguei e estiquei o meu cabelo, e comi apenas uma maçã pelo caminho porque já estava a ficar atrasada.

E bem dito e bem certo.

Quando estacionei o carro já não se via ninguém cá fora. Olhei para o relógio, passavam dez minutos da hora do toque. Perfeito.

Entrei e andei apressadamente pelos corredores já vazios, e bati à porta antes de entrar.

- Posso? – Perguntei.

- Menina Daphne… - disse o meu professor de Filosofia – eu compreendo que lhe seja complicado levantar da cama cedo para chegar a horas, mas não acha que poderia fazer um esforço?

- Desculpe, não volta a acontecer.

- Pois, está bem. Entre lá.

Entrei e dirigi-me logo ao meu lugar, sempre com os olhos pregados na mesa, não queria olhar para Logan, que para mal dos meus pecados, era o único do nosso grupo que estava comigo a Filosofia.

O professor lá começou no seu monólogo habitual e enquanto uns fingiam prestar atenção, eu nem me dignava a isso e comecei a rabiscar nas últimas páginas do caderno.

A parte difícil ia ser no intervalo… fingir que ele não me afecta… “não Daph, tu consegues, ele não te afecta!”, disse-me o meu cérebro. Haja uma vez em que não me diz nada que seja para me deitar abaixo. Mas era verdade, ele estava na lista de pessoas que eu não amava, juntamente com Amy, Collin, Kristen,… ok, é mais fácil dizer que as únicas duas pessoas que amo são Jenny e Kevin. Verdadeiros amigos. “Isso não é amor mesmo Daph, é amizade”, e pronto, eu sabia que o meu cérebro não ia ficar muito tempo sem me deitar abaixo.

Quando o toque finalmente soou agarrei nas minhas coisas e encaminhei-me até ao cacifo, onde as deixei. O professor da próxima disciplina estava a faltar, por isso iria ter noventa minutos livres.

Depois segui para as mesas do bar, onde já via Collin, Kristen e Lucy. Sentei-me ao pé deles e começámos a falar sobre o que tínhamos feito nas férias.

Depois chegaram Amy, Duke e Logan, e só depois John. Estava a estranhar Kevin ainda não ter aparecido.

- Sabem onde está o Kevin? – Perguntei.

- O namorado é teu, tu é que devias saber onde é que ele está – respondeu bruscamente Logan, deixando-me completamente desprevenida.

Graças a deus que fomos interrompidos, porque sinceramente não sabia que resposta lhe devia dar.

- A falar de mim? – E cá estava ele.

Sentou-se ao meu lado e cumprimentei-o com um beijo, ele chegou a sua cadeira mais para ao pé de mim e abraçou-me apenas com um braço.

- Então, como foram as férias na santa terrinha? – Perguntou.

- Foram… diferentes – yap, definitivamente diferentes. – E como foi a festa do bar?

- Seria melhor se te tivesse lá – sorri-lhe e dei-lhe um beijo na bochecha.

- Talvez neste ano. Não vejo mais razão nenhuma para ir para aquela terra fazer a Passagem de Ano.

- O quê? – Desta vez quem falou foi Logan, e pelo seu tom de voz parecia surpreendido.

- Sim, já não há lá nada que me diga alguma coisa – encolhi os ombros.

- Mas pensava que gostavas de lá estar – disse Kevin.

- E gostava… mas mudou. Podemos parar com o interrogatório? Falem-me das vossas férias.

A partir de agora não houve problemas, Amy tratou de fazer isso sozinha.

Quando tocou fui levar Kevin à sua aula de Biologia e dei-lhe um beijo de boa sorte, porque a professora tinha avisado que iam fazer um teste. Yap, logo no primeiro dia, isso é que é sorte.

Depois voltei para as mesas do bar num passo lento. Ia passar cá um tédio, noventa minutos completamente sozinha.

Ia a passar por um dos corredores já desertos quando ouvi a porta de um cacifo a bater, olhei para o lado e vi Logan a sentar-se ao lado deles. Estranho, pensava que ele tinha aulas…

Estava no chão, encostado à parede, com a cabeça entre as pernas que eram rodeadas pelos braços. Por tudo o que sei até pode estar plenamente bem, mas houve qualquer coisa que me impediu de me ir embora, mesmo sabendo que se me aproximasse provavelmente isto ia dar mau resultado.

Aproximei-me lentamente até ficar a poucos metros dele.

- Logan – chamei. Ele levantou a cabeça das pernas e olhou para mim. Tinha os olhos brilhantes, como se tivesse uma vontade de chorar imensa, ou então estivesse mesmo muito raivoso, e abanou a cabeça.

- O que é que queres? – Perguntou, nada simpático.

- Estás bem? – Detesto quando me fala assim.

- Porque é que te interessa? – Levantou-se e encolheu os ombros.

- Porque és meu amigo – ou pelo menos costumava ser – e eu preocupo-me contigo.

- Então que raios é que estás a fazer com o Kevin?! – Gritou-me.

- Porque é que te interessa? – Desta vez esta frase veio dos meus lábios. Eu e o Kevin não somos da sua conta.

Ele bufou e voltou a abanar a cabeça.

- Porque é que estás com ele, Daph? Ambos sabemos que não o amas. Não a ele, de qualquer modo.

“Ambos sabemos que não o amas”, as suas palavras viajaram dentro da minha mente vezes sem conta até as conseguir prender. E o que me custava mais era saber que estavam certas.

- Isso não é da tua conta Logan – disse-lhe, também com um tom áspero – O que é que pensavas? Que tu podias andar com a Amy tanto quanto quisesses e eu ia ficar à espera para sempre? Achaste que ia ficar à espera daquele beijo que nunca chegou e que provavelmente nem te lembras?!

- Claro que me lembro – disse, baixinho, gritando em seguida – Claro que me lembro Daph!

- Sinto que isso foi numa outra vida, percebes? E agora já é tarde. Passou o tempo. Perdemos a oportunidade. E eu tenho o direito de ser feliz.

- Com ele?!

- Com seja quem for que o consegue fazer.

- Mas tu não o amas Daphne – agora parecia desesperado, ao agarrar-me nos ombros – Não amas.

Engoli em seco.

- Eu não posso amar alguém que não me ame também. Não mereço. Adeus Logan.

E dito isto larguei-me das suas mãos e desatei a correr pelo corredor, acabando por me refugiar na casa de banho onde deixei que finalmente todas as lágrimas caíssem.

Vida sem Logan… essa ideia parecia-me cada vez mais difícil de concretizar.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2