Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Together as One - The Second Part

por Andrusca ღ, em 23.04.11

E consegui! Ahah

Girls, lembrem-se porque é que gostam do Danny ;)

 

Capítulo 4

Felícia

 

Ellie

 

Senti como se fosse vomitar a qualquer altura e via tudo à roda. O Danny separou-se logo dela, acho que no tempo real não passaram de meros dois segundos enquanto que no meu relógio foram mais dois anos.

- O que raio estás a fazer? – Perguntou-lhe Danny, ainda sem me ter visto. Kath amparou-me, pelos vistos já nem me conseguia manter em pé.

Não sabia o que pensar, ele tinha separado o beijo mas… mesmo assim foi um beijo, certo? E se ela o deu foi porque ele lhe deu permissão, certo? Eu bem sabia que quando a vi no corredor não ia gostar nada dela.

- Relaxa meu – disse ela –, estás demasiado tenso. Olá pessoal, sou a Felícia.

- Felícia, que raio é isto?! – Danny levantou-se de repente e eu encolhi-me com o susto que o arrasto da cadeira me provocou. – Não podes aparecer assim e armar uma cena destas, enlouqueceste?! As coisas mudaram.

- Oh vá lá Danny, não me digas que não gostaste…

- Pára! Eu tenho uma namorada agora, ok? Por isso não podes chegar aqui a qualquer altura e fazer isso!

- Tu? – Ela deu uma gargalhada sonora – Uma namorada? Quem?

- E...eu – gaguejei. A voz saiu-me um bocado estranha, por estar a suprimir as lágrimas que de certeza que se estivesse sozinha já tinham começado a cair, e baixa também, mas mesmo assim todos os olhares da mesa se viraram para mim.

- Ela? – Perguntou Felícia, a rapariga do cabelo vermelho – Oh, por favor… ela não tem nada a ver contigo.

- Ellie? – Perguntou Danny, engolindo em seco e dirigindo-se a mim, agarrando-me nos ombros em seguida e olhando-me nos olhos – Ellie por favor, deixa-me explicar, deixa-me…

- Está bem – disse-lhe, ainda com a voz tremida.

- Eu pensava que eras tu, juro, no momento em que percebi que não eras eu afastei-a… Ellie, por favor… tu…

- Poupa a voz Danny – pedi. Ele olhou para mim com mágoa, mas em troca eu dei-lhe um sorriso débil – Eu vi, não precisas de explicar, está tudo bem.

- Ellie…

- A sério – apesar de a minha voz não ser lá muito convincente, eu sabia que era verdade, não tinha sido culpa dele e ele tinha separado o beijo, mas mesmo assim não me podem culpar por ainda estar em choque, certo? Estou nesse direito.

- Ok, Rach, não tinham de laranja por isso trouxe de maçã… - disse Michael ao aproximar-se da mesa com um sumo de maçã na mão.

- Michael? – A voz de Felícia fez-se ouvir ao ver o meu irmão e não tardou a dar-lhe um beijo como antes deu ao meu namorado.

Mas quem é que esta gaja julga que é?! “Cuidado com a linguagem Ellie, o que é que os teus pais iam pensar se te ouvissem?”, discutiu o meu cérebro “Que se lixe a linguagem!”, mandei-lhe. Considerando como me sinto em relação ao álcool – que 0% já é demasiado –, agora dava-me jeito umas cervejas.

Michael porém demorou a afastá-la e quando finalmente o fez sorriu-lhe.

- Felícia?! – Perguntou, abraçando-a – O que é que andas a fazer por cá miúda?

- Vês? – Perguntou Felícia a Danny – Era uma recepção destas que eu esperava de ti.

Olhei para Rachel, ela, tal como eu há segundos atrás, estava para morrer. A única diferente é que o estúpido atrasado mental do irmão nem lhe ligou nenhuma.

- Rachel, esta é a Felícia – até agora – É uma amiga nossa. Olha, o beijo… não é nada, tradição velha e…

- Eu percebo – Mas Rachel era, sem dúvida, melhor actriz que eu, e desenhou o seu melhor sorriso nos lábios – Não faz mal, não és o único tipo que ela beijou em dois minutos, por isso acho que não faz mal, certo? Obrigada pelo sumo.

E assim começou a beber o sumo. Ninguém dizia nada, se Felícia não queria o meu Danny tenso, não devia ter aparecido, pois era assim que agora todos nos sentíamos.

 

Danny

 

Senti alguém atrás de mim e um beijo em seguida. Mas pude sentir logo deste o primeiro toque que não era a Ellie. Afastei a rapariga e olhei para ela, incrédulo. Se ela não tivesse feito isto tê-la ia agarrado ao colo e abraçado de tão feliz que estava em vê-la. Felícia. Sempre gostei dela, é uma daquelas amigas para sempre mas nunca houve nada entre nós, isto dos cumprimentos com os beijos foi algo que começou há muito tempo atrás.

Mas só de pensar que isto só podia estragar seis meses inteirinhos com a rapariga que amo, fez-me passar da cabeça.

Comecei a discutir com ela, por muito contente que estivesse por a ver, ela não podia ter feito isto, simplesmente não podia!

E então a Ellie falou. Congelei da cabeça aos pés e dirigi-me a ela. Ela não podia ficar chateada, não por algo tão acriançado quanto isto, não quando eu nem fiz nada. Se tivesse que me pôr de joelhos para lhe implorar perdoar, iria fazê-lo sem sequer pestanejar. Mas, para provar todas as razões pelas quais a amo, ela não me culpou. Mas também não estava bem como afirmava estar. Ia falar com ela, ia esclarecer tudo.

E depois o Michael chegou e a Felícia armou a mesma cena e quem ficou mal foi a Rachel.

Mal soou o toque fomos todos para a sala, eu ia ter na mesma que Ellie, e durante todo o caminho ela foi calada. E também passou a aula assim, já estava a começar a desesperar.

Arranquei uma folha do caderno e escrevi nela: Passeio pelo parque quando sairmos?

Mandei-lhe e ela respondeu pouco depois: Claro.

“Claro”… que resposta mais vaga…

Esperei que tocasse e que ela arrumasse as coisas e depois entrelaçámos as mãos e seguimos até ao parque.

 

Ellie

 

Só se ouvia o piar dos pássaros, eu sinceramente não sabia o que dizer, acho que ainda não assimilei lá muito bem as coisas…

- Sabes que te amo, certo? – Perguntou-me, parando e puxando-me para um banco.

- Certo – respondi, ao sentar – E eu também te amo Danny.

Inclinei-me e aos poucos deitei-me de barriga para cima, com a cabeça pousada no seu colo enquanto ele me mexia nos cabelos.

- Então, sobre a Felícia, eu conheci-a…

- Não é preciso. Estamos bem Danny, não precisas de me explicar nada – interrompi.

- Não, mas eu quero. Conhecemo-nos há quatro anos, mais ou menos, quando fui fazer a minha primeira viagem à Europa, e o teu irmão foi comigo. Ela era porreira, nós gostámos dela logo ao princípio – A sério? Pergunto-me se será pelo umbigo à mostra ou os calções tipo cuecas – Ela era da nossa onda, e desde esse Verão que somos os três bastante amigos.

- Pois, pelo que me apercebi são os três bastante amigos mesmo… - ele riu, eu cá não estava a achar graça nenhuma à coisa.

- Sinceramente nem me lembro como começou isto dos beijos, sei que começou e continuou, mas até à data nunca tinha importado porque nunca tinha magoado ninguém. Ell, eu lamento tanto…

Levantei a cabeça do seu colo e sentei-me de pernas cruzadas, virada para ele. Eu sabia que ele estava a dizer a verdade, conseguia ver reflectido nos seus olhos, juntamente com o medo de que eu não fosse acreditar.

Sorri-lhe e aproximei os meus lábios dos dele, dando-lhe um beijo pequeno e desviando-me de seguida.

- Está bem – disse, por fim – Tu gostas dela, ela é tua amiga, mas ao menos promete-me manterem limites. Por favor?

- Todos eles. Juro. A única rapariga que quero que me beije és tu.

E dito isto voltou a juntar os nossos lábios e puxou-me para o seu colo, e assim ficámos até começar a escurecer, quando me levou para casa na sua mota.

Felícia… ela ainda me vai trazer muitas dores de cabeça, mas realmente era demasiado bom seis meses de namoro sem problema nenhum… pena que as coisas boas não durem eternamente.

20 comentários

Comentar post

Pág. 1/2